Presidente do Sri Lanka confirma decisão de renunciar após meses de protestos

12 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O presidente do Sri Lanka em apuros, Gotabaya Rajapaksa, confirmou que renunciará na quarta-feira, mesmo enquanto os partidos da oposição tentam chegar a um consenso sobre a formação de um novo governo em um país confrontado com uma crise econômica e um vácuo político.

O paradeiro de Rajapaksa, que há meses enfrenta demandas de sua renúncia após uma devastadora crise econômica, permanece desconhecido. Ele foi levado de sua residência no sábado para um local seguro antes de milhares de manifestantes invadirem as instalações.

O gabinete do primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe divulgou um comunicado na segunda-feira afirmando que Rajapaksa disse que renunciaria em 13 de julho.

A decisão de Rajapaksa de renunciar depois de inicialmente desafiar as exigências dos manifestantes foi anunciada pela primeira vez no sábado pelo presidente do parlamento. Mas centenas de manifestantes continuaram a ocupar sua mansão e escritório da era colonial em Colombo pelo terceiro dia, recusando-se a desocupar as propriedades até que ele renuncie oficialmente.

O gabinete do primeiro-ministro também disse que todos os ministros do Gabinete renunciarão assim que uma decisão sobre um novo governo de unidade for tomada.

O principal partido da oposição, Samagi Jana Balawegaya, se reuniu com grupos políticos menores no domingo para decidir sobre um novo governo e construir apoio para seu líder, Sajith Premadasa. Durante meses, a oposição exigiu que Rajapaksa se afastasse e desse lugar a um governo de unidade que incluísse todos os partidos políticos.

Wickremesinghe também se ofereceu para renunciar e abrir caminho para um governo de todos os partidos, mas disse que permanecerá no cargo até que um novo governo esteja em vigor.

“Um governo tem que funcionar de acordo com a lei. Estou aqui para proteger a constituição e, por meio dela, atender às demandas do povo. O que precisamos hoje é um governo de todos os partidos, e tomaremos medidas para estabelecer isso”, disse Wickremesinghe em um comunicado em vídeo.

Wickremesinghe foi nomeado em maio para resolver os problemas econômicos do país, mas era visto como muito próximo da família. Wickremesinghe também se tornou alvo da ira do público. Sua residência particular em Colombo foi incendiada no sábado, e seu escritório também foi ocupado por manifestantes.

Houve um sentimento de júbilo entre os manifestantes de longa data que gritavam: “Gota, vá para casa”. Muitos chamaram de “momento histórico”, uma “verdadeira luta cidadã” e tiraram selfies dentro da residência do presidente para marcar o que chamaram de vitória do movimento de protesto.

A polícia disse que os manifestantes entregaram US$ 50.000 em dinheiro que encontraram dentro da residência.

A ira do público foi dirigida contra Rajapaksa e outros membros da família que ocupavam cargos poderosos no governo há anos. A poderosa dinastia política, que voltou ao poder em 2019, é culpada por políticas que devastaram a economia da nação insular de 22 milhões de habitantes.

A frustração vem se acumulando com o agravamento da escassez de combustível e a inflação descontrolada que levaram a um aumento maciço nos preços dos alimentos.

Longas filas foram vistas em postos de combustível na segunda-feira, quando as vendas limitadas de combustível para veículos particulares foram retomadas. Nas últimas semanas, o país ficou quase paralisado, pois enfrenta dificuldades para importar alimentos, combustível ou medicamentos. Por causa de suas reservas cambiais esgotadas, as escolas foram fechadas por três semanas e os funcionários do governo foram solicitados a trabalhar em casa. Quedas de energia e falta de combustível dificultaram o funcionamento das fábricas.

Embora a crise tenha durado anos, a má administração durante o mandato de Rajapaksa agravou os problemas, segundo economistas. Os incentivos fiscais populistas esgotaram as receitas do governo e uma mudança abrupta para a agricultura orgânica levou a uma queda acentuada na produção agrícola, enquanto a pandemia atingiu a economia dependente do turismo do país. Empréstimos maciços para financiar projetos de infraestrutura construídos pela China aumentaram o peso da dívida.

O país está negociando com o Fundo Monetário Internacional um resgate.

“Esperamos uma resolução da situação atual que permita a retomada de nosso diálogo sobre um programa apoiado pelo FMI”, disse o FMI em comunicado.

Fontes