Presidente do Malawi retira poder de vice-presidente após acusações de corrupção

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Lazarus Chakwera

22 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O presidente do Malawi, Lazarus Chakwera, suspendeu os poderes do vice-presidente Saulos Chilima depois que o Escritório Anticorrupção (ACB) do país acusou Chilima de aceitar propinas em troca de contratos governamentais.

As descobertas da agência vêm um mês depois que a Agência Nacional de Crimes do Reino Unido mostrou que Chilima estava na lista de funcionários do governo do Malawi que recebiam propinas do empresário britânico-malawiano Zuneth Abdul Rashid Sattar.

Sattar foi preso na Grã-Bretanha no ano passado por supostamente fornecer subornos a funcionários do governo do Malawi para obter contratos do serviço policial, da força de defesa e do departamento de imigração do Malawi. Sattar nega as acusações.

Em um discurso televisionado na terça-feira, o presidente Chakwera suspendeu os poderes de Chilima, demitiu o inspetor geral do Serviço de Polícia do Malawi, George Kainja, e suspendeu dois outros funcionários. Ele disse que os quatro estão entre os 13 funcionários do governo que o ACB descobriu que receberam dinheiro da Sattar entre 2017 e 2021.

No entanto, Chakwera disse que não poderia demitir ou suspender formalmente Chilima porque não tem autoridade constitucional para fazê-lo.

“O melhor que posso fazer por enquanto, que é o que decidi fazer, é retirar de seu escritório quaisquer funções delegadas enquanto espera que a agência comprove suas alegações contra ele”, disse Chakawera.

A investigação disse que 53 funcionários públicos e 31 indivíduos do setor privado, grupos cívicos e a comunidade jurídica também receberam dinheiro de Sattar entre março e outubro do ano passado.

O assessor de imprensa de Chilima, Pilirani Phiri, disse que Chilima comentará o assunto no momento oportuno.

Fontes[editar | editar código-fonte]