Polícia de Bangladesh é acusada de conspirar contra candidatos da oposição

Fonte: Wikinotícias

17 de julho de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Espera-se que o BNP, de oposição de Bangladesh, realize novos protestos na terça e quarta-feira em meio a seu pedido de renúncia do atual governo e instalação de um governo interino antes das eleições gerais que provavelmente ocorrerão em janeiro.

A notícia do protesto chega quando o BNP, ou Partido Nacionalista de Bangladesh, e outros ativistas alegam que o governo da primeira-ministra Sheikh Hasina está acelerando casos judiciais pendentes contra alguns dos líderes da oposição para impedi-los de concorrer às eleições. Um protesto contra o governo foi realizado na última quarta-feira.

A Liga Awami, ou AL, é o partido no poder.

Em 6 de julho, um vice-inspetor geral da polícia se reuniu com outros altos funcionários da polícia em Dhaka e autorizou uma iniciativa para coletar dados sobre os casos dos líderes e ativistas do BNP e outro grupo de oposição, o Jel.

Os membros desses grupos enfrentam acusações de incêndio criminoso, ataques violentos à polícia, várias atividades subversivas e outros crimes graves desde 2013.

A VOA divulgou uma cópia da ata da reunião de um grupo ativista pró-democracia em Bangladesh. As cópias também foram distribuídas pelos ativistas entre a maioria dos meios de comunicação em Bangladesh. Temendo represálias da polícia, a maioria dos veículos ignorou o assunto.

No entanto, The Daily Star, o maior jornal em inglês de Bangladesh, e New Age, outro diário em inglês, relataram os detalhes sobre as atas.

A polícia não protestou contra os dois jornais por publicarem os detalhes das atas.

A maioria dos julgamentos nos casos contra os líderes e ativistas da oposição ocorre há muitos anos. Em muitos casos, a acusação não apresentou provas suficientes.

De acordo com as atas vazadas, na reunião presidida por Joydeb Bhadra, o vice-inspetor geral da polícia, oficiais superiores foram supostamente orientados a se concentrar em casos direcionados aos líderes acusados ​​do BNP e JeI - especialmente aqueles que devem disputar as próximas eleições gerais.

Fontes