Polícia da Nova Zelândia entra em confronto com manifestantes anti-vacinas

23 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Autoridades da Nova Zelândia dizem que a polícia foi alvo de dois ataques separados de manifestantes que protestavam contra as vacinas de COVID-19 na capital Wellington.

Um manifestante foi flagrado em vídeo acelerando em seu carro em direção a um grupo de policiais na manhã de terça-feira, antes de parar rapidamente momentos antes de colidir com eles. O motorista foi retirado do carro e preso por dirigir de forma perigosa.

Enquanto isso, três policiais foram levados a um hospital para tratamento depois de serem pulverizados com o que foi descrito como uma “substância pungente” que a polícia acredita ser ácido. O comissário assistente da polícia, Richard Chambers, disse a repórteres na terça-feira que os três policiais estão “se recuperando bem” após o ataque.

Os dois incidentes ocorreram horas depois que centenas de policiais foram mobilizados para mover bloqueios de estradas em um cordão mais apertado em torno de um grande grupo de manifestantes que bloquearam estradas ao redor do Parlamento por duas semanas e montaram um acampamento elaborado nas dependências do Parlamento.

O acampamento, completo com barracas, banheiros portáteis, pontos de distribuição de alimentos e creches, emula os protestos antivacinas que ocorreram na capital canadense de Ottawa até a polícia expulsar os manifestantes no domingo. Os protestos evoluíram de seu foco estrito contra as vacinas do governo para uma manifestação antigovernamental mais ampla.

A primeira-ministra Jacinda Ardern denunciou os ataques à polícia como “vergonhosos” na terça-feira e pediu aos manifestantes que deixem Wellington. A polícia disse na segunda-feira que alguns dos manifestantes jogaram excremento humano neles.

A Nova Zelândia registrou apenas 36.164 casos confirmados de COVID-19 e 56 mortes desde o início da pandemia, de acordo com o Johns Hopkins. Especialistas dizem que o baixo número de vítimas se deve aos rígidos controles de fronteira e bloqueios impostos pelo governo de Ardern, que atraíram elogios da comunidade internacional. No entanto, a nação do Pacífico de 5 milhões de pessoas lutou recentemente com um grande surto de novos casos impulsionados pela variante ômicron, com números diários de casos subindo acima de uma média de sete dias de mais de 1.600 casos, segundo a Reuters.

Ardern disse aos manifestantes na segunda-feira que começará a flexibilizar as restrições impostas pela COVID-19 assim que o atual aumento diminuir.

Fontes