Polícia Internacional do Peru entra no caso de brasileiro desaparecido há 2 anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2014

Peru

A Polícia Internacional do Peru passou a integrar a equipe de investigação do caso do estudante universitário brasileiro Artur Paschoali. Ele foi visto pela última vez em Machu Picchu e está desaparecido desde o dia 21 de dezembro de 2012. Na sexta-feira (19), em entrevista ao Radiojornalismo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Wanderlan Vieira, pai de Artur, contou que as investigações continuam. A família acredita que o estudante tenha sido sequestrado. “Ao que tudo indica, para exploração como escravo, cumprindo função de tradutor no Norte do Peru. Isso é o que percebemos ao estudar o contexto do ocorrido com nosso filho", salientou.

No início das buscas, a família fez um trabalho de investigação particular, paralelo aos trabalhos da polícia local, e pediu ajuda ao governo brasileiro. “O governo, percebendo a gravidade do assunto e a possibilidade de solução, iniciou, por meio do Itamaraty, uma série de intervenções. Logramos êxito de dar continuidade às investigações.”

Segundo Vieira, a equipe da polícia peruana está analisando o material já existente no processo. O pai de Artur entende que algumas medidas ainda precisam ser tomadas pelas autoridades do Peru, como o depoimento de alguns suspeitos. Hoje, a família mantém dois advogados trabalhando no caso. De acordo com Wanderlan Vieira, os gastos da família na tentativa de localizar o paradeiro do estudante já ultrapassam R$ 100 mil.

O universitário desapareceu depois de avisar a amigos que caminharia pela região para fazer fotografias. Paschoali estava em Machu Picchu trabalhando em um restaurante e pretendia seguir viagem até a Guatemala. Em nota enviada à Agência Brasil, o Ministério das Relações Exteriores informou que a notificação do desaparecimento foi feita pela família no dia 2 de janeiro de 2013. O Itamaraty destacou que a Embaixada do Brasil em Lima foi informada e, além de acompanhar o caso, iniciou contatos com as autoridades peruanas.

Segundo o texto, o embaixador brasileiro no Peru “continua a manter contatos de alto nível sobre o caso na Chancelaria peruana e no Ministério do Interior, inclusive com o ministro, sempre que necessário”. Ainda de acordo com a nota, representantes do Itamaraty mantêm a família informada. No dia 11 deste mês, houve uma reunião entre representantes da Embaixada do Brasil, o adido da Polícia Federal e advogados da família de Artur. A nota do Itamaraty diz, porém, que “não há elementos novos sobre paradeiro do nacional brasileiro”.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati