Plano Comida na Mesa tem R$ 180 milhões para levar mais alimentos à população

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

7 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O governador Flávio Dino anunciou nesta terça-feira (6) o lançamento de mais uma medida para reduzir os impactos econômicos e sociais decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Dino resumiu algumas das ações que integram o Plano Comida na Mesa, estratégia voltada para garantir segurança alimentar e apoio à produção de alimentos no contexto da crise sanitária, com investimentos estaduais na ordem de R$ 180 milhões.

“O Plano Comida na Mesa, do Governo do Maranhão, implicará despesas de R$ 180 milhões nos próximos meses, abrangendo ampliação de restaurantes populares; apoio à compra de gás de cozinha; mais cestas básicas; compras da agricultura familiar; e equipamentos para aumentar produção de alimentos”, informou o governador.

De acordo com o decreto estadual que institui o Plano, a iniciativa será executada por três órgãos de governo: Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social (Sedes) e a Secretaria de Estado de Governo (Segov). Caberá ao secretário de Agricultura Familiar, Rodrigo Lago, a coordenação do Plano.

O Comida na Mesa também prevê novos investimentos para instrumentalizar a agricultura familiar, fomentos para garantir renda aos agricultores, aumento na produção de alimentos e a sua oferta aos programas de compras institucionais e a ampliação de ações de segurança alimentar para pessoas em situação de vulnerabilidade.

Nas redes sociais, internautas reagiram positivamente à novidade. “Muito bom mesmo. Parabéns governo do estado”, disse Fran Almeida. “Acredito no seu governo estamos juntos. Parabéns meu governador”, elogiou a usuária Márcia.

Além de manter em funcionamento 55 Restaurantes Populares, desde o início da pandemia o Governo do Maranhão distribuiu mais de 350 mil cestas básicas em todas as regiões do Estado.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit