Peruano conta que assassinou criança em Hiroshima

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de dezembro de 2005

Juan Carlos Torres, cidadão peruano de 30 anos, contou à polícia que assassinou Airi Kinoshita (木下あいり), uma menina de 7 anos, cujo corpo sem vida foi achado dia 22 de novembro num sector calmo da cidade de Hiroshima, no Japão.

Torres, que havia trocado o sobrenome para Pizarro Yagi, é de ascendência japonesa e tem antecedentes de violação a menores, motivo pelo qual foi condenado e fugiu do Peru.

A princípio Torres negou as acusações, mas os exames de DNA a que foram submetidas as amostras de suor encontradas na roupa de Airi o incriminaram.

Algumas testemunhas afirmaram que viram Torres conversar com a menina dias antes do crime, e que ele comprou uma estufa de gás, em cuja caixa foi achado o cadáver da vítima.

Airi freqüentava o primeiro ano da escola primária Yano-Nishi. Ela ainda vestia seu uniforme escolar quando foi encontrada escondida numa caixa. A cerca de 400 metros estava a mochila da menina, dentro de um saco de papel.

Segundo as autoridades, a menina morreu entre as 13h e 14h da terça-feira (22 de novembro). Uma hora depois, a caixa com o corpo foi encontrada pelo funcionário de um armazém que vende produtos domésticos para gás.

A polícia obteve a ordem de detenção na terça-feira (29). Torres foi capturado na madrugada da quarta-feira (30) no apartamento de um parente em Suzuka. De imediato foi levado à delegacia de Kaita, em Hiroshima.


Fontes