Peru fecha Machu Picchu em meio a protestos mortais

22 de janeiro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Forças de segurança peruanas invadiram o campus da Universidade Nacional de San Marcos no sábado, onde manifestantes antigovernamentais estavam hospedados. As autoridades dizem que pelo menos 100 pessoas foram presas.

Um grande grupo de manifestantes marchou para a sede da polícia em Lima exigindo a libertação dos detidos na universidade.

Também no sábado, os crescentes protestos fizeram com que as autoridades culturais peruanas fechassem a famosa cidadela inca de Machu Picchu e a Trilha Inca, principais atrações turísticas, onde centenas de turistas, a maioria estrangeiros, ficaram presos. Mais de 400 turistas foram posteriormente evacuados do local.

O trem de Machu Picchu não está funcionando porque os trilhos foram danificados. A cidade mais próxima fica a uma caminhada de uma hora.

Dezenas de pessoas foram mortas nos protestos antigovernamentais que varreram o Peru nas últimas semanas.

Os manifestantes começaram a sair às ruas no mês passado, depois que o presidente Pedro Castillo foi deposto e substituído por sua vice-presidente, Dina Boluarte.

Castillo, o primeiro líder de ascendência rural andina do país, foi detido enquanto tentava dissolver o Congresso para impedir sua votação de impeachment.

Os manifestantes querem a saída de Boluarte e a realização de novas eleições.

Fontes[editar | editar código-fonte]