Parlamento ucraniano declara Rússia "Estado agressor"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de janeiro de 2015

Ucrânia

O Parlamento da Ucrânia declarou hoje (27) a Rússia um “Estado agressor”. Em documento aprovado por 271 dos 298 deputados presentes a uma sessão extraordinária, os legisladores ucranianos fazem um apelo a parlamentares de outros países e a organizações internacionais para que também declarem a Rússia como país agressor devido ao seu envolvimento no conflito armado no Leste da Ucrânia.

Além disso, a Rada (Parlamento) pediu aos parceiros da Ucrânia para “impedir a impunidade dos culpados de crimes contra a humanidade cometidos desde o início da agressão russa”. O texto diz que a Rússia “apoia o terrorismo e bloqueia o trabalho do Conselho de Segurança da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), colocando em perigo a segurança e a paz internacional”.

Os deputados fizeram um apelo à comunidade internacional para declarar como “organizações terroristas” as autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, criadas pelos separatistas pró-Rússia na Região Leste do país, na fronteira com a Rússia. A sessão extraordinária da Rada foi convocada depois do bombardeio de sábado (17), que matou 30 civis e deixou uma centena de feridos em Mariupol, cidade de meio milhão de habitantes no sul da região de Donetsk, próximo do Mar de Azov.

As autoridades de Kiev responsabilizaram as milícias separatistas pró-russas pelo bombardeio. Os rebeldes haviam anunciado, pouco antes do ataque, uma ampla ofensiva em todo o Leste da Ucrânia. As acusações do governo ucraniano foram apoiadas por uma missão de observadores da Organização para a Cooperação e Segurança na Europa, que se deslocou ao local e constatou que o ataque foi realizado com lança-mísseis, disparados das zonas controladas pelos rebeldes pró-russos.

Os observadores internacionais assinalaram que os mísseis foram disparados de uma distância de 19 a 15 quilômetros em relação ao local onde caíram, de localidades a Leste e Noroeste de Mariupol, que está nas mãos dos separatistas. A crescente deterioração da situação do conflito, que já matou mais de 5 mil pessoas desde abril do ano passado, levou na segunda-feira (26) o primeiro-ministro da Ucrânia, Arseni Iatseniuk, a impor alerta máximo em todo o território nacional. “O objetivo de tal decisão é a plena coordenação das atividades de todos os órgãos de poder para garantir a segurança dos cidadãos”, explicou o chefe de governo.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati