Saltar para o conteúdo

Paquistão aprova nova operação para erradicar o terrorismo

Fonte: Wikinotícias

24 de junho de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 


A principal liderança civil e militar do Paquistão decidiu lançar uma nova campanha nacional multifacetada de contraterrorismo em meio à deterioração da situação de segurança do país.

Uma reunião de alta potência presidida pelo Primeiro-Ministro Shehbaz Sharif deu autorização para a operação "Azm-e-Istehkam", ou Resolução pela Estabilidade, para "combater as ameaças do extremismo e do terrorismo de forma abrangente e decisiva", disse um comunicado emitido pelo Gabinete do primeiro-ministro.

O anúncio ocorreu no momento em que o Paquistão enfrenta ataques quase diários contra o pessoal de segurança e em meio à crescente pressão da China para garantir a segurança de seus trabalhadores. Vários cidadãos chineses foram mortos em um ataque no início deste ano.

"A guerra do Paquistão e a luta contra o extremismo e o terrorismo e é absolutamente essencial para a sobrevivência e o bem-estar da nação", disse o comunicado oficial.

Juntamente com um impulso militar intensificado, Azm-e-Istehkam terá um impulso diplomático.

"No domínio político-diplomático, os esforços serão intensificados para reduzir o espaço operacional para os terroristas através da cooperação regional", disse o comunicado depois que o Comité máximo do plano de Ação Nacional revisou a campanha de contraterrorismo em curso e a segurança interna no país.

O Paquistão tem um historial de tribunais que libertam suspeitos de ataques terroristas devido à falta de provas. A nova campanha visa combater isso através de ações legislativas.

"Os esforços cinéticos renovados e completos das Forças Armadas serão aumentados pelo apoio total de todas as agências de Aplicação da Lei, habilitadas por legislação eficaz para resolver os vazios legais que impedem o processo efetivo de casos relacionados ao terrorismo e a concessão de punições exemplares a eles", segundo o comunicado.

Preocupações chinesas

[editar | editar código-fonte]

A nova operação antiterrorista surge no momento em que Islamabad tenta convencer Pequim de que está a levar a segurança dos cidadãos chineses extremamente a sério.

"O fórum também analisou medidas para garantir segurança infalível para os cidadãos chineses no Paquistão." Disse o comunicado de sábado. "Após a aprovação do Primeiro-Ministro, foram emitidos novos procedimentos operacionais padrão [Pops] aos departamentos relevantes, o que reforçará os mecanismos para fornecer segurança abrangente aos cidadãos chineses no Paquistão.”

Isso ocorre depois que Liu Jianchao, ministro do Comitê Central do Departamento Internacional do Partido Comunista da China, disse em um fórum político bilateral em Islamabade na semana passada que a falta de segurança do Paquistão era um obstáculo para levar o investimento chinês à nação do Sul da Ásia, carente de dinheiro.

"Como as pessoas costumam dizer que a confiança é mais preciosa do que o ouro, no caso do Paquistão, o principal fator que abala a confiança dos investidores chineses é a situação de segurança", disse Liu em uma reunião em que participaram representantes de grandes partidos políticos paquistaneses. Realizou-se no âmbito da terceira reunião do mecanismo consultivo conjunto Paquistão-China dos partidos políticos sobre o corredor económico China-Paquistão.

O corredor, vulgarmente conhecido como CPEC, é um projeto emblemático da Iniciativa Global do Cinturão e Rota de Pequim e centra-se principalmente na energia e nas infraestruturas.

Pelo menos mais uma dúzia de cidadãos chineses foram mortos no Paquistão em ataques direcionados nos últimos anos.

Após o ataque de Março, o Paquistão intensificou os esforços para reforçar a proteção dos cidadãos chineses, incluindo a formação de uma nova unidade de segurança na capital. Já existe uma unidade militar especial para a proteção dos projetos chineses no Paquistão. É apoiado por agências locais de aplicação da lei.

Paisagem do terrorismo

[editar | editar código-fonte]

De acordo com o portal de terrorismo do Sul da Ásia, que mantém dados sobre ataques terroristas na região, o Paquistão testemunhou mais de 300 mortes relacionadas ao terrorismo até agora este ano.

Dezenas de agentes de segurança paquistaneses, incluindo funcionários, morreram no primeiro semestre de 2024 em ataques de militantes e operações de contraterrorismo. Na sexta-feira, cinco soldados paquistaneses foram mortos quando um dispositivo explosivo improvisado explodiu seu veículo no distrito tribal de Kurram, perto do Afeganistão.

No ano passado, o Paquistão registou uma alta de seis anos em mortes por terrorismo, com a maioria dos ataques concentrados nas províncias de Khyber Pakhtunkhwa e Baluchistão, que fazem fronteira com o Afeganistão.

Islamabade culpa o aumento dos ataques terroristas contra Tehrik-e-Taliban Paquistão, que diz ter santuários no vizinho Afeganistão. Os talibãs Afegãos rejeitaram provas de ataques terroristas transfronteiriços fornecidos pelo Paquistão como um esforço para difamar Cabul.

Relatórios recolhidos pelas Nações Unidas e grupos de investigação sediados nos Estados Unidos indicam que os Talibãs Afegãos mantiveram laços com militantes estrangeiros.

Operações anteriores

[editar | editar código-fonte]

O Paquistão lançou operações militares maciças contra terroristas entre 2009 e 2017 em Khyber Pakhtunkhwa. Embora as operações tenham conseguido matar e expulsar milhares de militantes para o Afeganistão e desmantelar as suas células no Paquistão, também causaram um deslocamento em massa de cidadãos e milhões de dólares em danos à propriedade e às infraestruturas.

Khyber Pakhtunkhwa viu recentemente uma onda de Jirga, ou reuniões públicas consultivas, onde os habitantes locais expressaram sérias preocupações com a crescente violência militante e frequentes operações de contraterrorismo.

O porta-voz militar paquistanês, Major-General Ahmed Sharif Chaudhry, disse à imprensa no mês passado que as forças de segurança realizaram mais de 13.000 operações baseadas em inteligência este ano, principalmente em Khyber Pakhtunkhwa e Baluchistão.