Saltar para o conteúdo

Ataque a posto avançado paquistanês perto da fronteira afegã mata 5 soldados e 7 militantes

Fonte: Wikinotícias

28 de maio de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 


Militantes fortemente armados atacaram um posto avançado de segurança paquistanês perto da fronteira com o Afeganistão na manhã de segunda-feira, resultando na morte de cinco soldados e sete atacantes no tiroteio que se seguiu.

Autoridades de segurança confirmaram as mortes à VOA, dizendo que o ataque ocorreu no remoto Vale de Tirah, no noroeste da província de Khyber Pakhtunkhwa, e resultou em ferimentos a seis soldados.

Horas depois, a ala mediática dos militares paquistaneses também confirmou as baixas sofridas pelas suas forças nos confrontos no antigo reduto militante, dizendo que sete militantes foram mortos em fogo de retaliação.

"Uma grande quantidade de armas, munições e explosivos também foi recuperada dos terroristas mortos que permaneceram ativamente envolvidos em inúmeras atividades terroristas contra as forças de segurança, bem como civis inocentes", acrescentou o comunicado.

Militantes aliados ao Talibã paquistanês, formalmente conhecido como Tehrik-I-Taliban Pakistan, TTP, divulgaram um comunicado alegando a responsabilidade pela realização do ataque em Tirah.

O ataque mortal ocorreu um dia depois de os militares paquistaneses informarem que um ataque antiterrorismo perto da capital da província de Peshawar matou dois soldados paquistaneses e cinco supostos "terroristas" que se acredita estarem ligados ao TTP.

No domingo, o ministro do interior paquistanês, Mohsin Naqvi, também renovou a exigência de Islamabade de que o governo Talibã no Afeganistão impeça imediatamente os líderes e combatentes do TTP de orquestrarem o terrorismo transfronteiriço a partir dos seus alegados refúgios no país vizinho.

Naqvi afirmou em uma coletiva de imprensa que "se a sede do TTP permanecer no Afeganistão" e nenhuma ação for tomada para desmantelá-los, seria "muito desafiador" para Islamabade melhorar as relações com os governantes de facto de Cabul.

"Queremos boas relações com o Afeganistão, mas isso só é possível se eles não permitirem que suas terras sejam usadas para o terrorismo contra o Paquistão", disse Naqvi. "Mas é imperativo (para os talibãs) que os indivíduos envolvidos no terrorismo dentro das suas fronteiras sejam detidos, processados ou entregues a nós.”

O ministro afirmou ainda que a TTP tinha planeado e dirigido a partir de santuários Afegãos um atentado suicida em Khyber Pakhtunkhwa na província, em março passado, que matou cinco engenheiros chineses, juntamente com o seu motorista paquistanês. Os cidadãos chineses estavam a trabalhar num grande projeto hidreléctrico, conhecido como Barragem de Dasu.

Naqvi disse que o homem-bomba era um cidadão afegão, observando que as autoridades paquistanesas prenderam 11 pessoas em conexão com o ataque e planearam processá-las em breve.

O governo Talibã rejeita as alegações de que a TTP está a operar fora do seu território, dizendo que não está a permitir que ninguém utilize o solo afegão para ameaçar países vizinhos ou não.

Os céticos questionam essas afirmações. Um relatório recente das Nações Unidas sobre a situação de segurança no Afeganistão destacou os laços estreitos contínuos dos talibãs com agentes da Al-Qaeda, dizendo que a rede terrorista estabeleceu novos campos de treinamento no país e está facilitando a TTP na realização de ataques transfronteiriços contra o Paquistão.