Os países mais vulneráveis ​​a eventos climáticos extremos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Meterored Cl

O Índice de Risco Climático Global (Global Climate Risk Index - GCRI) do Germanwatch é uma análise anual baseada num dos conjuntos de dados mais confiáveis ​​disponíveis sobre os impactos de eventos climáticos extremos e os dados socioeconômicos associados a eles.

O Índice 2021 é a décima sexta edição da análise, que visa contextualizar os debates em curso sobre política climática com impactos reais a nível global durante o ano passado e nos últimos 20 anos. Deve-se notar que é uma análise de dados de eventos ocorridos e não deve ser usada como uma projeção linear de impactos climáticos futuros.

Destaques do GCRI

De acordo com esta análise, mais de 475.000 vidas foram perdidas em consequência direta de mais de 11.000 eventos climáticos extremos em todo o mundo, com perdas econômicas chegando a 2.100 milhões de euros. Nota-se que apenas os eventos são contabilizados diretamente, já que indiretamente esses índices seriam muito maiores, como as ondas de calor, que são frequentes nos países africanos, muitas vezes produzindo impactos indiretos como as secas, com sua consequente escassez de alimentos.

Um dos eventos mais importantes que são analisados ​​como responsáveis ​​por mortes e grandes perdas econômicas são os ciclones tropicais. Só em 2019, 6 dos 10 países mais afetados por eventos climáticos extremos foram atingidos por um ciclone tropical . Deve-se notar que há estudos que mostram que o número de ciclones tropicais aumentará a cada décimo de grau que a temperatura média global aumenta.

Os países em desenvolvimento são particularmente afetados pelos efeitos da mudança climática , pois são mais vulneráveis ​​aos efeitos danosos de uma ameaça, mas têm menos capacidade para lidar com ela. Oito dos dez países mais afetados pelos efeitos quantificados de eventos climáticos extremos em 2019 estão na categoria de renda baixa a média-baixa e metade deles são países menos desenvolvidos.

Quais foram os países mais afetados em 2019?

Moçambique, Zimbábue e Bahamas, seguidos pelo Japão, Maláui e Afeganistão, foram os países mais afetados por eventos climáticos extremos em 2019 e sofreram especialmente com fortes tempestades e ciclones tropicais de alto impacto.

Em março de 2019, o poderoso ciclone tropical Idai atingiu Moçambique, Zimbábue e Maláui, causando danos catastróficos e uma crise humanitária nos três países. Idai rapidamente se tornou o ciclone tropical mais mortal e caro do sudoeste do Oceano Índico, causando US$ 2,2 bilhões em prejuízos econômicos. No total, o ciclone afetou três milhões de pessoas e ceifou mais de mil vidas.

Além disso, o furacão Dorian atingiu as Bahamas em setembro de 2019 como um furacão de categoria 5, o mais forte já registrado a atingir as ilhas. Dorian alcançou um vento constante de 300km/h e causou fortes chuvas. 74 pessoas morreram. No total, o fenômeno causou US$ 3,4 bilhões em danos e danificou mais de 13.000 casas.

O top 10 da lista dos países mais afetados por eventos climáticos extremos em 2019 é fechado pela Bolívia, sendo uma das exceções aos ciclones tropicais por ter sido afetada por fortes chuvas que causaram inundações e grandes deslizamentos de terra.

O que aconteceu entre 2000 e 2019?

Se a análise for feita nos últimos 20 anos, alguns nomes mudam na lista dos 10 países mais afetados por eventos climáticos extremos, mas os ciclones tropicais ainda são os principais culpados.

O top 10 é liderado por Porto Rico, seguido por Myanmar e Haiti. A localização do ranking é atribuída às consequências de eventos excepcionalmente devastadores, como o furacão Maria em Porto Rico em 2017 e os furacões Jeanne em 2004 e Sandy em 2012 no Haiti.

Myanmar foi duramente atingida pelo ciclone Nargis em 2008, que causou uma perda estimada de 140.000 vidas, bem como danos materiais para 2,4 milhões de pessoas. Enquanto isso, a quarta colocação é ocupada pelas Filipinas, que se destaca pelo número de eventos graves registrados, totalizando 317 fenômenos meteorológicos extremos entre 2000 e 2019.

Notícias Relacionadas

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit