Oficiais da OTAN dizem que "notícias falsas" russas buscam minar a Aliança

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

18 de fevereiro de 2017

E-mails acusando soldados alemães estacionados na Lituânia de estupro foram enviados esta semana para diversos meios de comunicação locais, o último incidente no que os oficiais da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN} dizem ser uma campanha russa de "falsas notícias" destinada a minar o apoio público à aliança militar.

Os e-mails, que foram enviados a vários meios de comunicação lituanos em 14 de fevereiro, alegaram que soldados alemães baseados no estado do Báltico violaram uma menina lituana menor de idade. Alguns sites de informação lituanos divulgaram a denúncia, a qual foi desmentida pela polícia lituana, que está tentando rastrear o Endereço IP envolvidos na distribuição da falsa notícia.

"As investigações policiais lituanas chegaram à conclusão de que não havia nem vítima, nem possíveis testemunhas, nem quaisquer autores", disse um porta-voz do Ministério da Defesa alemão. Funcionários da OTAN citaram que o papel de liderança da Alemanha na crise da Ucrânia e o apoio às sanções contra a Rússia tornaram o país um alvo-chave da desinformação russa.

No ano passado, houve uma série de divulgações de notícias falsas que os oficiais da OTAN sustentam são concebidas em Moscou e conduzidos como parte de uma campanha de medidas ativas que buscam moldar a opinião pública ocidental e semear a discórdia política nos Estados Unidos e nos países europeus.

Funcionários da União Europeia dizem que o Kremlin está usando diferentes táticas e métodos, dependendo dos países alvo. Nos países bálticos, o alvo é geralmente a população de língua russa, através dos canais de televisão russos. Nos países da Europa Central, como a Polônia, a Hungria e a República Tcheca, no entanto, a subversão é mais disfarçada, com centenas de sites de desinformação sendo usados. Na Escandinávia, a propaganda está sendo divulgada em mídias sociais por trolls publicando comentários inflamatórios.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati