Obrador se auto declara Presidente do México e simpatizantes fazem protestos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

28 de julho de 2006

O candidato presidencial mexicano Andrés Manuel López Obrador, que perdeu a eleição para Presidente para o seu rival Felipe Calderón Hinojosa pela diferença de 0.57 % dos votos, declarou vitória nas eleições e jurou que ele e os seus apoiadores continuarão a protestar. "Eu já sou presidente," disse numa entrevista para a televisão "ganhei a eleição presidencial. Sou o presidente do México pela vontade da maioria de Mexicanos."

Os protestos a favor de Obrador tornam-se cada vez mais maiores.

Espera-se que Obrador anuncie uma campanha de desobediência civil durante uma reunião na Cidade do México no domingo. Ele e os seus simpatizantes estão pressionando o Tribunal Eleitoral Federal de México para fazer uma recontagem dos votos da eleição.

O candidato presidencial Felipe Calderón do Partido Ação Nacional (PAN) foi declarado o vencedor da eleição Presidencial ocorrida em 2 de julho. O seu rival principal, Andrés Manuel López Obrador, da Coalizão Pelo Bem de Todos —formada pelo Partido da Revolução Democrática (PRD), Partido do Trabalho (PT) e Partido Convergência— não admitiu o resultado e disse que mobilizaria protestos públicos além de questionar os resultados no tribunal.

As perguntas foram levantadas sobre a contagem dos votos depois que algumas discrepâncias foram notadas na contagem. Enquanto alguns apoiadores de López Obrador alegaram a manipulação do processo de contagem, o próprio Obrador descartou a possibilidade da fraude por má fé. Observadores internacionais disseram que a eleição foi transparente, sem problemas.

O Ministro do Interior, Carlos Abascal, disse que uma recontagem total é "fisicamente e também legalmente impossível." Apesar disso, relatórios de cada cabine de votação preenchidas por representantes de todos os partidos já foram distribuídos às partes em disputa.

O Tribunal Eleitoral Federal de México, formado por sete juizes, tem o poder ouvir reclamações e reconsiderar o resultado da eleição. O Tribunal deve declarar oficialmente o vencedor no início de setembro.

Fontes