Saltar para o conteúdo

O derretimento das geleiras e a secagem do Mar de Aral destacam os problemas hídricos da Ásia Central

Fonte: Wikinotícias
Mar de Aral, em 1989 e 2014

7 de abril de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As alterações climáticas e a escassez de água são duras realidades que a Ásia Central enfrenta. Os glaciares no leste, nas montanhas do Quirguistão e do Tajiquistão, estão a derreter rapidamente, enquanto no oeste, no Uzbequistão e no Cazaquistão, o Mar de Aral se transformou num deserto.

De acordo com o Banco Mundial, quase um terço dos 80 milhões de pessoas da região não têm acesso a água potável, realçando a necessidade urgente de modernizar infra-estruturas obsoletas. O Afeganistão está a construir um canal que poderá agravar a crise.

No verão e outono passado, no Uzbequistão e no Tajiquistão, as pessoas que vivem ao longo dos rios Syr Darya e Amu Darya descreveram à VOA condições climáticas extremas – secas e inundações que representam perigos existenciais.

“É tudo uma questão de água, a nossa preocupação constante”, disse Ganikhan Salimov, um produtor de algodão na região de Ferghana, no Uzbequistão, na fronteira com o Quirguistão e o Tajiquistão.

“Esta água não é apenas para nós, mas uma fonte de vida para toda a região”, disse ele, apontando para um canal lamacento perto das suas plantações.

Navio abandonado perto de Aral, Cazaquistão

Os rios Amu Darya e Syr Darya encolheram um terço em pouco mais de 70 anos. O Mar de Aral, outrora um vasto mar interior, diminuiu 90% desde a década de 1960, como apontado num relatório recente da ONU. O extremo norte do mar, na fronteira com o Cazaquistão, é mais vibrante, mas a vida tornou-se quase impossível em todas as suas margens.

As autoridades insistem que estão a trabalhar com instituições internacionais para revitalizar o ecossistema local, mas a VOA ouviu principalmente histórias de desilusão por parte dos residentes.

Num fórum recente no Wilson Center, em Washington, responsáveis ​​dos EUA e diplomatas da Ásia Central destacaram a crescente procura de água e o agravamento das condições ambientais.

O embaixador do Tajiquistão, Farrukh Hamralizoda, disse que “mais de 1.000 dos 30.000 glaciares” no seu país já derreteram.

“Todos os anos, sofremos inundações, deslizamentos de terra, avalanches e outros desastres naturais relacionados com a água”, disse Hamralizoda, acrescentando que o seu país montanhoso gera 98% da sua electricidade a partir de energia hidroeléctrica.

O embaixador do Quirguistão, Baktybek Amanbaev, disse que os glaciares também têm desaparecido no seu país igualmente montanhoso, que, segundo ele, alberga 30% da água potável das cinco antigas repúblicas soviéticas que compõem a Ásia Central.

“Precisamos de uma gestão eficaz da água para podermos estimar as reservas e fluxos de água”, disse Amanbaev.

Fonte[editar | editar código-fonte]