Saltar para o conteúdo

ONU: Gangues do Haiti matam 1.500 em três meses

Fonte: Wikinotícias
Volker Türk

29 de março de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A violência das gangues já matou mais de 1.500 pessoas no Haiti este ano, informou a ONU na quinta-feira, ao lamentar o fluxo contínuo de armas que chegam à nação insular do Caribe.

A ONU descreveu a situação no país devastado pelo caos como “cataclísmica”.

“É chocante que, apesar da situação horrível no terreno, as armas continuem a chegar”, disse Volker Türk, o alto comissário da ONU para os direitos humanos, num comunicado.

A ONU disse que dezenas de pessoas foram linchadas pelas chamadas brigadas de autodefesa este ano. Muitos dos membros de gangues são criminosos condenados, 4.000 dos quais escaparam das duas maiores prisões do Haiti.

“Todas estas práticas são ultrajantes e devem parar imediatamente”, disse Türk.

A ONU disse que as guerras de gangues se intensificaram nas últimas semanas, à medida que rivais fortemente armados se envolveram em novas ondas de ataques, incluindo ataques a delegacias de polícia e ao aeroporto internacional.

O primeiro-ministro Ariel Henry anunciou sua renúncia em 11 de março. Ele deixou o Haiti e agora está no território norte-americano de Porto Rico, com as gangues impedindo seu retorno ao Haiti.

Um conselho presidencial de transição que será responsável pela seleção de um novo primeiro-ministro emitiu a sua primeira declaração oficial na quarta-feira, prometendo restaurar a “ordem pública e democrática” no Haiti.

“Estamos determinados a aliviar o sofrimento do povo haitiano, preso durante demasiado tempo entre a má governação, a violência multifacetada e o desrespeito pelas suas perspectivas e necessidades”, afirmou o conselho.

Os membros do conselho afirmaram que, assim que fossem oficialmente instalados, ajudariam a “colocar o Haiti de volta no caminho da legitimidade democrática, estabilidade e dignidade”.

O relatório da ONU documentou 4.451 assassinatos no ano passado e 1.554 até 22 de março deste ano. A ONU disse que algumas das mortes ocorreram em casas de moradores devido ao suposto apoio de civis à polícia ou a gangues rivais, ou em ruas densamente povoadas devido a fogo cruzado ou franco-atiradores. Uma das vítimas era um bebê de três meses.

Além disso, o gabinete dos direitos humanos da ONU afirmou que, com a falta de segurança no Haiti, 528 pessoas suspeitas de ligações a gangues foram linchadas por brigadas armadas no ano passado e mais 59 este ano.

Fontes[editar | editar código-fonte]