OEA rejeita eleições convocadas na Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, garantiu nesta terça-feira que as eleições de 6 de dezembro, convocadas por Nicolás Maduro para escolher os novos membros da Assembleia Nacional, supõem “mais um mecanismo de impunidade” e defendeu que “os usurpadores devem ir embora”.

O chefe da OEA também destacou que estas eleições não contam com o apoio da comunidade internacional já que o presidente em disputa da Venezuela "está deslegitimado".

“As eleições são outro mecanismo de impunidade, os usurpadores devem sair e ser julgados por seus crimes”, disse Almagro.

O secretário-geral participou do fórum virtual "América Latina: agora ou nunca?" para abordar a situação no Hemisfério Ocidental e os desafios do futuro em um contexto como o da crise do coronavírus.

A questão venezuelana tomou grande parte do discurso de Almagro. Ele denunciou que a situação no país sul-americano é insustentável e que são as pessoas que sofrem diretamente as consequências da gestão do Palácio Miraflores.

“Cada dia a mais da ditadura venezuelana significa mais fome, mais doenças e significa menos justiça e mais impunidade para os ditadores”, acrescentou ao respeito.

Sobre o assunto, lembrou que “não há caso semelhante na comunidade internacional” e que Maduro e grande parte dos governantes em disputa são acusados ​​de “corrupção, narcotráfico e crimes contra a humanidade”.

“Na OEA devemos ser claros: devemos rejeitar essa ideia e qualquer indício que exista de que alguém valide ou normalize as relações com as ditaduras de Cuba, Nicarágua e Venezuela”, insistiu.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com