Nova Zelândia enviará ajuda militar não letal à Ucrânia

21 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Jacinda Ardern

A Nova Zelândia disse que planeja gastar US$ 3,46 milhões para ajudar as forças ucranianas a combater os russos.

O governo em Wellington disse que o dinheiro adicional contribuiria principalmente para um Fundo Fiduciário da OTAN que fornece combustível, comidas, equipamentos de comunicação e kits de primeiros socorros.

As forças armadas da Nova Zelândia também fornecerão equipamentos táticos, incluindo armaduras que são excedentes às suas próprias necessidades.

A entrega dessa ajuda não letal provavelmente seria por aeronaves da força de defesa da Nova Zelândia e também poderia envolver os militares australianos.

A primeira-ministra Jacinda Ardern disse na segunda-feira que seu país está ansioso para ajudar.

“Hoje, o governo também decidiu apoiar as forças armadas ucranianas com equipamentos de defesa tática, como capacetes e coletes”, disse Ardern.

“Os anúncios de hoje se somam às sanções econômicas contínuas que impomos através da recém-promulgada Lei de Sanções Russas, bem como NZ$ 6 milhões anteriormente fornecidos em apoio humanitário, elevando nossa contribuição total para NZ$ 11 milhões. As sanções impostas de todo o mundo estão surtindo efeito e, portanto, a Nova Zelândia continuará desempenhando seu papel de apoiar nossos parceiros a se oporem a essa guerra”.

As autoridades da Nova Zelândia não decidiram fornecer ajuda letal às forças ucranianas. No entanto, impôs sanções financeiras e proibições de viagem a vários políticos e militares russos. A lei inovadora permite que a Nova Zelândia congele os ativos daqueles associados à Rússia.

A primeira-ministra Ardern disse que não seria uma surpresa se a Nova Zelândia fosse atingida por sanções retaliatórias da Rússia.

Ela disse que a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro foi uma grande ruptura na ordem internacional baseada em regras.

O governo disse que os neozelandeses que viajam para a Ucrânia para lutar no conflito provavelmente não estariam infringindo nenhuma lei doméstica, embora o conselho oficial seja para os cidadãos não viajarem para a região.

Fontes