Nova Zelândia designou grupos de direita dos EUA como terroristas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Proud Boys

30 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Nova Zelândia designou os grupos de direita dos EUA Proud Boys e The Base como organizações terroristas, tornando ilegal para os residentes da Nova Zelândia financiar ou apoiar qualquer organização.

O ministro da Polícia da Nova Zelândia, Chris Hipkins, anunciou formalmente a designação em uma entrevista coletiva na quinta-feira em Wellington, enquanto o governo publicava uma explicação de 29 páginas.

Hipkins disse que o envolvimento do grupo no ataque violento ao edifício do Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021 foi um ato de terrorismo. Ele disse que os “protestos violentos que tentam derrubar o governo [dos EUA]” fornecem claramente evidências suficientes da ameaça que o grupo representa.

O comunicado disse que, embora vários grupos de milícias estivessem envolvidos no conflito de 6 de janeiro, foram os Proud Boys que incitaram multidões, coordenaram ataques a policiais e levaram outros desordeiros para onde poderiam invadir o prédio.

Hipkins disse: “Esses são grupos terroristas de supremacia branca, e nós não acreditamos, e não acho que os neozelandeses acreditem que qualquer neozelandês deva capacitá-los e apoiá-los.”

Um alto oficial da polícia da Nova Zelândia aprovou a designação em 20 de junho, mas a declaração não foi publicada pelo governo até segunda-feira.

O gabinete da primeira-ministra Jacinda Ardern disse que a Nova Zelândia revisa ativamente e atualiza regularmente sua lista negra de terroristas, que também inclui grupos como o Estado Islâmico e o al-Shabab, com sede na África.

Não está claro se algum dos grupos de extrema direita tem uma presença significativa na Nova Zelândia, mas as autoridades disseram que eles tentaram se expandir para a vizinha Austrália.

O Washington Post relata que o ex-procurador-geral da Nova Zelândia, Christopher Finlayson, disse em uma resposta por e-mail que as autoridades estavam seguindo o “processo padrão” e que muitos grupos na lista de terrorismo de Wellington não estavam ativos no país.

Fontes