No meio de adversidades, Guiné-Bissau celebra 45 anos de independência

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

24 de setembro de 2018

“É um país onde fazer uma programação a médio e longo termo não tem sentido”, diz o analista Midana Sambu.

A Guiné-Bissau assinalou hoje, 24, a data do seu quadragésimo quinto aniversário, perante muitas adversidades socioeconômicas e políticas.

O país continua na cauda de índice de desenvolvimento, numa altura em que vive uma das mais difíceis fases de transição com eleições marcadas para 18 de novembro próximo.

Sem um ato oficial, alegadamente por razões financeiras, os guineenses avaliam, de forma crítica, os indicadores socioeconômicos que marcam a Guiné-Bissau, de 1973, data da proclamação unilateral da independência nacional.

O Presidente da República, José Mário Vaz, afirma, por sua vez, diz que “é um cidadão inconformado com a miséria, o sofrimento e a ignorância a que o povo tem sido votado, após 45 anos de independência”.

O analista político e jurídico, Luís Peti, diz que os 45 anos não corresponderam à expectativa que nortearam a luta armada, exceto o objetivo primário de libertar o país do colonialismo português.

“Um dos objetivos que era a independência foi alcançado, mas a autodeterminação e o desenvolvimento da Guiné-Bissau ficou aquém da expectativa, porque 45 anos depois, não se conseguiu definir o rumo do país, enquanto uma nação independente e democrática”, diz Peti.

Para avaliar a dinâmica socioeconômica do país, o consultor e especialista em economia e comércio internacional, Midana Sambu, recorre à resposta que o nacionalista Amílcar Cabral, deu a um jornalista francês, que questionou a necessidade de “independência para quê?”

“E a sua resposta foi: para uma vida melhor, sem sofrimento e sem ignorância. Ora, podemos dizer que estamos aquém deste sonho”, recorda Sambu.

Quanto à situação do país, Sambu diz que “de fato nós não sabemos o que vai acontecer amanhã ou depois de amanhã, ou daqui a uma semana. É um país onde fazer uma programação a médio e longo termo não tem sentido”.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati