Multidão pede justiça na véspera do julgamento do polícia acusado de matar George Floyd

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Milhares de pessoas foram às ruas na cidade de Minneapolis, capital do Estado americano de Minnesota, neste domingo, 7, atrás de um caixão coberto de rosas brancas para pedir justiça, na véspera do início do julgamento do polícia acusado do homicídio do afro-americano George Floyd, em Maio de 2020.

Na maior parte do tempo, a multidão manteve-se em silêncio e, de tempos em tempos, gritava "Se não há justiça, não há paz".

Ao longo do percurso, viram-se cartazes com as últimas palavras de Floyd: "Não consigo respirar".

Nesta segunda-feira, 8, arranca o julgamento de Dereck Chauvin, acusado de assassinar George Floyd, ao colocar o joelho no pescoço do afro-americano por 8 minutos e 15 segundos.

Chauvin foi filmado ajoelhado sobre o pescoço de Floyd, que, no chão, gritava "não consigo respirar".

As imagens chocantes geraram a onda de protestos "Black Lives Matter" (Vidas negras importam) contra a brutalidade policial e a injustiça racial nos Estados Unidos e em capitais ao redor do mundo durante meses.

O julgamento promete ser inédito em muitos aspectos: contará com advogados famosos, será realizado sob forte segurança e será transmitido ao vivo.

O escritório do Procurador-Geral do Estado de Minnesota convocou Neal Katyal, um ex-procurador-geral interino que argumentou perante o Supremo Tribunal, para ajudar com a acusação.

Katyal descreveu o julgamento de Chauvin como um "caso criminal histórico, um dos mais importantes da história" dos Estados Unidos.

Três outros oficiais envolvidos na prisão de Floyd, Alexander Kueng, Thomas Lane e Tou Thao, enfrentam acusações menores e serão julgados de forma separada.

O advogado do polícia, Eric Nelson, disse que Chauvin "agiu de acordo com a política do MPD (Departamento da Polícia de Minnesota), o treino que recebeu e seus deveres como oficial licenciado do Estado de Minnesota".

Ele acrescentou que Floyd morreu de overdose de fentanil, citando uma necropsia que encontrou vestígios da droga no corpo de Floyd, mas que, no entanto, especificou que a causa da morte foi "compressão do pescoço".

Ben Crump, advogado que representa a família Floyd, disse esperar que a defesa questione o carácter dele: "Eles vão tentar fazer as pessoas esquecerem o que veem no vídeo", afirmou.

Refira-se que para Dereck Chauvin ser condenado, os 12 jurados terão de ter uma posição unânime.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit