Saltar para o conteúdo

Ministros das Finanças do G20 falham em superar diferenças sobre a Ucrânia

Fonte: Wikinotícias
Emblema da presidência do Grupo dos 20 ou G20 da República da Índia

25 de fevereiro de 2023

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os ministros das Finanças do Grupo dos 20 países encerraram uma reunião de dois dias no sábado na Índia sem emitir uma declaração conjunta depois que a China e a Rússia se opuseram às referências que outros membros queriam fazer sobre a agressão de Moscou na Ucrânia.

Sem consenso, a Índia, que ocupa a presidência do G-20 este ano, disse no que é chamado de “sumário da cadeira” que “a maioria dos membros condenou veementemente a guerra na Ucrânia e enfatizou que ela está causando imenso sofrimento humano e exacerbando as fragilidades existentes na a economia mundial".

Afirmando que é essencial defender o direito internacional, o resumo dizia que “o uso ou ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível. A resolução pacífica de conflitos, os esforços para lidar com as crises, bem como a diplomacia e o diálogo são vitais. A era de hoje não deve ser de guerra.”

A declaração observou que as referências à guerra foram “acordadas por todos os países membros, exceto Rússia e China”.

A reunião que começou na sexta-feira na cidade de Bengaluru, no sul da Índia, coincidiu com o primeiro aniversário da invasão da Ucrânia pela Rússia. As fortes diferenças que surgiram foram semelhantes aos desentendimentos que marcaram várias dessas reuniões desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, há um ano.

Em uma cúpula do G-20 realizada em Bali em novembro do ano passado, os líderes superaram suas diferenças ao emitir uma declaração que dizia que “a maioria dos membros condenava veementemente a guerra”.

Fontes