Militantes em Burkina Faso matam mais de 50 combatentes

Fonte: Wikinotícias
Ibrahim Traore

6 de setembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Insurgentes jihadistas na província de Yatenga, em Burkina Faso, mataram 36 combatentes voluntários e 17 soldados, confirmou o exército do país na terça-feira. O massacre está entre as piores derrotas estratégicas desde que o presidente interino Ibrahim Traore arrancou o poder da junta anterior, há um ano.

"Este ato de extrema covardia não ficará impune. Estão sendo feitos todos os esforços para incapacitar os restantes elementos terroristas em fuga", disse o exército num comunicado, acrescentando que várias dezenas de rebeldes já foram mortos.

Desde 2015, o exército do Burkina Faso tem lutado contra grupos extremistas no deserto do norte. Alguns desses grupos têm ligações com a Al Qaeda e o Estado Islâmico. Com falta de pessoal e por vezes desarmado, o empobrecido país da África Ocidental teve de contar com uma rede de voluntários que grupos de vigilância acusaram de matar civis, incluindo crianças.

Os insurgentes jihadistas mataram milhares de pessoas e deslocaram mais de 2 milhões de pessoas à medida que se aproximavam de Ouagadougou, a capital do país. Os civis estão proibidos de viajar e de aceder a bens e serviços vitais.

Analistas de conflitos dizem que metade do país vive na ilegalidade.

“Esta violência, juntamente com a propagação geográfica das actividades extremistas que efetivamente rodeiam Ouagadougou, coloca o Burkina Faso mais do que nunca à beira do colapso”, afirma um relatório do Centro Africano de Estudos Estratégicos.

Dois golpes militares no ano passado prometeram restaurar a ordem, mas a crise continua a aumentar. Desde o primeiro golpe, em janeiro de 2022, os assassinatos de extremistas quase triplicaram em comparação com o ano e meio anterior ao golpe.

No final de janeiro, o presidente Traore derrubou um acordo que permitia aos militares franceses combater os insurgentes. Agora, ele pode querer obter o apoio da Rússia. Na semana passada, reuniu-se com uma delegação russa para discutir uma potencial cooperação militar.

Fontes

‎‎‎