Metrô de São Paulo fecha contratos irregulares com fornecedora francesa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de maio de 2008

O Metrô de São Paulo fechou contratos irregulares com a fornecedora francesa de trens Alstom. De acordo com o TCE (Tribunal de Contas do Estado), estas negocições foram retomadas a partir de um contrato fechado no ano de 1992, no valor de R$ 556 milhões, onde o Metrô adquiriu 11 trens no valor de R$ 500 milhões gerando um prejuízo de quase R$ 70 milhões.

No contrato de 1992, os impostos ficariam com a importadora, porém uma licitação feita ano passado, dizia que se o governo importasse os trens diretamente pagaria 14% a menos, bastaria incluí-los nessa licitação. O Metrô preferiu a prorrogação do contrato antigo.

A fornecedora Alstom tem sido investigada na Suiça e na França por suspeita de pagar propina para fechar negócios com países da Ásia e América do Sul. Para o Metrô, a empresa é acusada de pagar US$ 6,8 milhões por um contrato de US$ 45 milhões.

O presidente da Alstom, Patrick Kron, afirmou desconhecer essas acusões de corrupção. Já o Metrô diz que economizou R$ 100 milhões ao reafirmar o contrato de 1992 para aquisição de 16 trens em 2007. Economia obtida se comparada aos preços da empresa francesa com outros fornecedores.


Fontes