Saltar para o conteúdo

Marinha indiana liberta navio de carga de piratas somalis

Fonte: Wikinotícias

17 de março de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A marinha indiana libertou no sábado o navio de carga MV Ruen sequestrado na região de Puntland, na Somália, após um impasse e tiroteio de 24 horas, e deteve 35 piratas, segundo o ministro dos Portos de Puntland, Ahmed Yasin Salah. A tripulação está ilesa. Os piratas – que supostamente sequestraram o navio graneleiro de bandeira maltesa em 14 de dezembro – trocaram tiros pesados ​​com a marinha indiana na sexta-feira.

"A marinha indiana conduziu com sucesso a operação, que vem acontecendo desde a noite passada. A marinha capturou 35 piratas e libertou o navio MV Ruen , e sua tripulação está segura", disse Salah. “Recebemos a informação do tiroteio na tarde de sexta-feira. Assim que contactámos as nossas fontes fiáveis, fomos informados de que a marinha indiana se envolveu num tiroteio com os piratas somalis.”

Numa entrevista à VOA Somali, Salah disse que os piratas do Ruen navegavam de um lado para o outro pela costa somali há meses e que os indianos os interceptaram na sexta-feira, quando se aproximavam de outro navio pirata, o MV Abdullah .

Não ficou imediatamente claro se os piratas somalis estavam a utilizar o navio sequestrado MV Ruen para assumir o controlo do navio de carga com bandeira do Bangladesh, MV Abdullah, que navegava da capital de Moçambique, Maputo, para os Emirados Árabes Unidos com uma carga de 55.000 toneladas de carvão quando piratas somalis o atacaram e tomaram na noite de 12 de março, fazendo 23 tripulantes como reféns.

Citando um porta-voz da marinha indiana, a Reuters informou no sábado que os piratas somalis abriram fogo contra o navio da marinha indiana em águas internacionais na sexta-feira. De acordo com o relatório da Reuters, a Marinha apelou aos piratas para que se rendessem e libertassem o navio e quaisquer civis que pudessem estar detidos.

Até a apreensão do Ruen, não houve nenhum sequestro bem-sucedido de um navio mercante por piratas somalis desde 2017, mas pelo menos 17 incidentes de sequestro, tentativa de sequestro ou abordagens suspeitas foram registrados pela marinha indiana desde dezembro, disseram autoridades indianas.

A Índia enviou pelo menos uma dúzia de navios de guerra a leste do Mar Vermelho em Janeiro para fornecer segurança contra piratas e investigou mais de 250 navios.

A Somália foi durante anos assolada pela pirataria, tendo o pico sido registado em 2011, quando a ONU afirma que mais de 160 ataques foram registados ao largo da costa somali. Os incidentes diminuíram drasticamente desde então, em grande parte devido à presença das marinhas americanas e aliadas em águas internacionais.

Um pequeno número de forças marítimas da Somália foram recentemente vistos a realizar patrulhas nas águas do Oceano Índico perto de Mogadíscio, a capital do país, como parte de uma medida em curso de Mogadíscio para reconstruir a sua presença de segurança marítima.

Paralelamente a esse esforço, os poderes executivo e legislativo da Somália aprovaram no mês passado um acordo crucial de defesa e cooperação económica de 10 anos com a Turquia.

O primeiro-ministro somali, Hamza Abdi Barre, disse que, segundo o acordo, a Turquia construirá, treinará e equipará a marinha somali e ajudará a remover "quaisquer temores de terrorismo, pirataria, pesca ilegal, despejo de tóxicos e quaisquer violações ou ameaças externas" à costa marítima da Somália. A Somália tem o litoral mais longo da África.

Fontes[editar | editar código-fonte]