Maranhão: produtores de banana preocupados com o Mal do Panamá

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED/MA) chama a atenção de todos os agentes envolvidos na cadeia produtiva da banana para que intensifiquem a vigilância de sintomas, nos bananais, da Fusariose (Fusarium oxysporum f. sp. cubense – Raça 4 Tropical – FocR4T), também conhecida como a doença Mal do Panamá.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) emitiu alerta, nesta semana, após receber comunicado de emergência fitossanitária nacional realizada pelo Serviço Nacional de Sanidade Agrária do Peru (Senasa), que informou a ocorrência da praga no território peruano.

Equipes técnicas da AGED têm realizado levantamentos fitossanitários específicos de detecção da praga em cultivos de banana destinados à comercialização, desde 2019, no Estado. Nesse período, as ações obedeceram a um alerta quarentenário emitido pelo MAPA para todo o Brasil, de forma preventiva, para identificar possível ocorrência da doença. O Mal do Panamá ou Fusariose raça 4 Tropical é considerada praga quarentenária ausente no país, conforme legislação específica do MAPA.

Sobre o Mal do Panamá raça 4 Tropical

A AGED recomenda que os produtores fiquem atentos aos sintomas que são típicos da doença como: amarelecimento, murcha, rachadura do feixe de bainhas, quebra do pecíolo da bananeira, entre outros. Em caso de suspeita de sintomas da praga, o produtor deve procurar o escritório da AGED mais próximo para comunicar o fato. No site da Agência, o produtor também encontra os telefones e e-mails dos escritórios para entrar em contato, bastando acessar www.aged.ma.gov.br/atendimento.

A raça 4 Tropical (FocR4T) é uma variação mais agressiva do Mal do Panamá, causada por um fungo que já foi identificado em países como Malásia, Moçambique, Austrália e Paquistão. Em 2019, a praga ocorreu pela primeira vez na América do Sul, na Colômbia e recentemente, em 2021, no Peru.

Até o momento, existe conhecimento de 4 raças, sendo que, para a bananeira, as raças 1, 2 e 4 são as mais importantes. Para mais informações do alerta emitido pelo MAPA sobre a praga, acesse aqui.

Fonte[editar]



Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit