Manifestantes na Índia pedem libertação de ativista anti-Modi

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

28 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Manifestantes na capital financeira da Índia, Mumbai, exigiram nesta segunda-feira a libertação de um crítico do primeiro-ministro Narendra Modi, que foi preso no fim de semana por suspeita de falsificação de documentos sobre distúrbios antimuçulmanos em 2002.

Teesta Setalvad é acusado de orientar testemunhas, falsificar documentos e fabricar provas em casos relacionados aos distúrbios em Gujarat quando Modi era ministro-chefe do Estado, de acordo com documentos da polícia vistos pela Reuters.

Um advogado de Setalvad não pôde ser encontrado imediatamente para comentar.

Modi foi acusado de não conseguir parar os tumultos quando pelo menos 1.000 pessoas morreram sob sua vigilância. Ele negou as acusações e foi absolvido em um inquérito da Suprema Corte indiana em 2012. Na semana passada, a Suprema Corte rejeitou outra petição questionando sua exoneração.

Setalvad, uma importante ativista de direitos humanos, foi detida em sua residência em Mumbai no sábado pela polícia de Gujarat, levada para o estado vizinho, colocada sob prisão formal e enviada à custódia policial até 2 de julho.

"Só porque ativistas como ela estão lutando no tribunal, não significa que devam ser colocados atrás das grades", disse Nooruddin Naik, um manifestante, à Reuters.

Manifestantes carregando cartazes e cartazes de Setalvad gritaram slogans contra Modi e seu partido, o BJP.

Enquanto isso, "Teesta" foi uma das principais tendências no Twitter na segunda-feira.

Sua prisão também foi condenada internacionalmente, e Mary Lawlor, Relatora Especial da ONU para Defensores de Direitos Humanos, disse estar “profundamente preocupada” com a detenção de Setalvad.

“Teesta é uma voz forte contra o ódio e a discriminação. Defender os direitos humanos não é um crime. Peço sua libertação e o fim da perseguição pelo Estado indiano”, disse ela em um tuíte.

Fontes