Macron ganha eleições presidenciais na França

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Agência VOA

7 de maio de 2017

Emmanuel Macron

Emmanuel Macron foi, hoje, 7, eleito presidente da França, derrotando Marine Le Pen, nacionalista de extrema-direita, que ameaçava retirar o país da União Europeia. Ele obteve 66.06 por cento do votos contra 33.94 por cento de Le Pen, que já aceitou a derrota e ligou para felicitá-lo pela vitória.

No seu discurso inicial, Macron disse que esta vitória abre-se uma nova página da longa história, e prometeu defender a França. O desejo de Macron é que tal seja “a redescoberta da esperança e confiança”.

Antes do discurso de Macron, Le Pen fez uma intervenção na qual voltou a congratular o rival político e destacou que os franceses “optaram pela continuidade” na segunda volta das presidenciais.

O presidente-cessante, François Hollande, disse que o resultado revela que o povo francês é pela unidade. "Esta grande vitória confirma que uma larga maioria de cidadãos quer a unidade em torno dos valores da República e revelam a sua ligação à União Europeia”, disse Hollande.

De acordo com a imprensa francesa, a segunda volta das presidenciais ficou também marcada pela abstenção, que registou o valor mais elevado desde 1969. Segundo números avançados, a abstenção terá sido de 25 por cento.

Presidente mais novo

A AFP escreve que Macron será o presidente mais jovem da história da França; mais jovem até mesmo que Louis-Napoléon Bonaparte, que tinha 40 anos quando foi eleito em 1848. Macron é também o primeiro chefe de Estado francês, desde 1958, cuja candidatura não veio de nenhum dos dois partidos tradicionais.

A corrida eleitoral de Macron foi apoiada, entre outros, por líderes mundiais como a chanceler alemã Angela Merkel ou o ex-presidente americano Barack Obama. Macron já recebeu feliecitações de líderes mundiais, entre os quais, Donald Trump, Angela Merkel e Theresa May.

A Reuters reporta que a vitória do candidato centrista alivia as preocupações de aliados europeus, que temiam outra agitação populista na sequência da saída do Reino Unido da União Europeia.

Notícias Relacionadas

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati