Na França, Emmanuel Macron e Marine Le Pen vão disputar na eleição presidencial

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Agência VOA

23 de abril de 2017

O centro-direita Emmanuel Macron e a ultra-direita Marine Le Pen foram os que mais votos obtiveram no domingo, na primeira volta (ou primeiro turno) das eleições presidenciais francesas e se enfrentaram em um desempate em 7 de maio. Macron (En Marche !, “Em Marcha!”, em francês) atingiu a liderança na primeira rodada da eleição presidencial francesa e se qualificar para a segunda rodada, ao obter 23,8% dos votos. Le Pen (Frente Nacional, FN) atingiu a segunda colocação e obteve os 21,4% dos sufrágios.

Macron ganhou a primeira rodada realizada no domingo com um 23,7% dos votos, seguido por Le Pen com 21,7%, de acordo com uma estimativa da Ipsos/Sopra Steria. O instituto de pesquisas Harris Interactive, entretanto, projetou que Macron obteve os 23% dos votos e Le Pen 22%, enquanto uma estimativa do IFOP situou Macron com um 23,8% e a Le Pen com um 21,6%.

O centrista Emmanuel Macron e a direitista Marine Le Pen oferecem um agudo contraste, pois albegam opiniões diametralmente opostas sobre o futuro da União Europeia (UE) e o rol da França na associação. Le Pen promete sacar a França da UE; Macron defende uma maior cooperação com o bloco. Portanto, a segunda volta (ou segundo turno) será o equivalente a um referendo sobre o futuro da França na UE.

François Fillon (Les Républicains, Os Republicanos) atingiu a barreira dos 20%, chegando em terceiro lugar, enquanto Benoît Hamon (Partido Socialista, PS), o candidato do atual do partido no poder, só colheu apenas 6,2% dos votos, chegando ao quinto lugar, atrás de Jean-Luc Mélenchon (La France Insoumise, A França Rebelde) que chegou em quarto lugar e quase recebe a mesma pontuação que Fillon.

Após ser anunciado os resultados, o primeiro-ministro do país pediu aos eleitores para conter a Le Pen e a votarem no Macron na segunda rodada. Assim, pela primeira vez na história da Quinta República (desde 1958), os dois partidos tradicionais alternativos não estarão presentes na segunda rodada.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati