Lei dos EUA propõe ajuda a diplomatas que adoeceram em Cuba

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Na quarta-feira, legisladores dos EUA introduziram uma lei que visa fornecer ajuda aos diplomatas que sofreram uma doença misteriosa enquanto residiam em Cuba. Os incidentes foram descritos na época como ataques sônicos ou síndrome de Havana.

A chamada Lei de Havana autorizaria o governo a fornecer aos funcionários feridos apoio financeiro adicional para lesões cerebrais resultantes do que o governo Trump chamou de "ataque sônico".

Mais de 40 diplomatas norte-americanos que serviram em Cuba em 2016 disseram que sofriam, entre outros sintomas, de persistentes dores de ouvido, dores de cabeça e problemas de memória, concentração, equilíbrio e sono.

"Enquanto trabalhamos para identificar o adversário responsável, devemos apoiar as vítimas", disse a senadora Susan Collins, co-patrocinadora do projeto de lei, na quarta-feira.

Após os incidentes, o Departamento de Estado reduziu o pessoal da embaixada em mais da metade.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit