Líder do Hizbollah desafia Israel e promete mais ataques na região central do inimigo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

29 de julho de 2006

O chefe do Hizbollah Hassan Nasrallah disse que o seu grupo guerrilheiro disparará mais foguetes contra regiões situadas mais próximas ao centro de Israel.

Na sexta-feira (28), o Hizbollah disparou foguetes que caíram em território israelense a 50 quilômetros além da fronteira.

Na sua declaração que foi televisionada, Nasrallah disse que Israel sofreu uma séria derrota em terra quando lutava contra os guerrilheiros do Hizbollah.

Ele falou um pouco depois de as tropas israelenses recuarem a partir da cidade libanesa de Bint Jbail, perto da fronteira. O exército israelense perdeu nove soldados nessa luta antes de tomar o controle da cidade nesta semana.

Os aviões de guerra israelenses continuaram a bombardear o Líbano neste sábado (29). As autoridades libaneses alegam que um sério ataque provocou a morte de uma mulher e de pelo menos cinco crianças. Por sua vez, o Hizbollah disparou mais foguetes contra o norte de Israel.

Israel rejeitou um apelo das Nações Unidas de uma trégua de 72 horas, cuja finalidade declarada seria permitir que mulheres, crianças e idosos pudessem escapar das regiões do conflito e permitir a chegada da ajuda de emergência.

Israel alega que já abriu corredores através do Líbano para poder passar o auxílio humanitário e acrescenta que é o Hizbollah, com o intuito de causar uma crise humanitária, quem impede a chegada de comboios de ajuda.

No início do sábado (29), um navio dos Estados Unidos chegou a Beirute com um grande carregamento de provisões. A agência para os refugiados das Nações Unidas está enviar os seus primeiros comboios de caminhões ao Líbano a partir da Síria.

O Hizbollah anunciou na sexta-feira (28) que usaria um novo tipo de foguete de longo alcance chamado Khaibar-1. Vários foguetes do Hizbollah caíram perto da cidade de Afula na sexta-feira, a aproximadamente 50 quilômetros dentro do território israelense, mas eles não causaram nenhum dano.

Fontes