Líder do Grupo Wagner diz que não queria derrubar governo Putin

Fonte: Wikinotícias

26 de junho de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O chefe do grupo mercenário Wagner, Yevgeny Prigozhin, fez seus primeiros comentários públicos na segunda-feira, depois de uma rebelião armada abortada que ele lançou contra a liderança militar da Rússia.

"Não tínhamos o objetivo de derrubar o regime existente e o governo legalmente eleito", disse ele em uma mensagem de áudio de 11 minutos divulgada no aplicativo de mensagens Telegram.

Em vez disso, disse Prigozhin, ele chamou suas ações de uma marcha "para a justiça". "Começamos nossa marcha por causa de uma injustiça", disse o chefe de Wagner, alegando que os militares russos atacaram um acampamento do Grupo Wagner com mísseis e depois helicópteros, matando cerca de 30 de seus homens. A Rússia negou ter atacado o campo.

Prigozhin afirmou que o grupo Wagner era a força de combate mais eficaz na Rússia "e até no mundo". Ele disse que a maneira como Wagner conseguiu assumir o controle da cidade de Rostov-on-Don, no sul da Rússia, sem derramamento de sangue e a maneira como enviou um comboio armado a 200 quilômetros de Moscou foi uma prova da eficácia de seus combatentes.

Suas forças interromperam a rebelião no final do sábado sob um acordo mediado pelo líder bielorrusso Alexander Lukashenko.

Prigozhin não deu detalhes sobre seu paradeiro atual ou planos futuros. Ele foi visto pela última vez no sábado, sorrindo na parte de trás de um carro ao partir de Rostov-On-Don depois de ordenar que seus homens se retirassem. Os termos da negociação do Kremlin com o fundador do Grupo Wagner, de 62 anos, ainda não foram divulgados. O presidente russo, Vladimir Putin, não comentou as consequências do motim.

Mais cedo, altos funcionários russos mostraram sua unidade ao lado do presidente Putin. A televisão estatal russa mostrou um vídeo na segunda-feira do ministro da Defesa, Sergei Shoigu, visitando as tropas em sua primeira aparição pública desde a breve rebelião.

O relatório não especificou quando ou onde Shoigu se reuniu com as tropas.

O primeiro-ministro nomeado por Putin, Mikhail Mishustin, reconheceu que a Rússia enfrentou "um desafio à sua estabilidade" e pediu solidariedade. "Precisamos agir juntos, como uma equipe e manter a unidade de todas as forças, reunindo-se em torno do presidente", disse ele em uma reunião do governo televisionada.

Notícias relacionadas

Fontes