José Sarney anuncia o fechamento da Fundação José Sarney

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

26 de outubro de 2009

Brasil


O Presidente do Senado do Brasil e também senador José Sarney (PMDB-AP) anunciou em meio de nota hoje, o anúncio do fechamento e a conseqüente extinção da Fundação José Sarney, que leva o próprio nome.

A Fundação José Sarney foi criada depois que Sarney deixou a presidência da República em 1990, no prédio de Convento das Mercês, localizado no Centro Histórico de São Luís, capital do Maranhão. Lá estão guardados todos os fatos ocorridos durante a presidência que durou cinco anos, de 15 de março de 1985 a 15 de março de 1990, registrados por fotos, televisões, rádios e jornais brasileiros e no exterior.

Na nota, José Sarney alegou a impossibilidade de manter a fundação "por falta de meios", pois "os doadores que a sustentam suspenderam suas contribuições, pela exposição com que a instituição passou a ser tratada por alguns órgãos da mídia".

A possibilidade da extinção e fechamento da fundação foi noticiada pela imprensa brasileira no final da semana passada, depois de graves escândalos políticos e administrativos da fundação nos últimos anos, cujo estopim foram as denúncias entre junho a agosto, em meio da maior crise política do Senado brasileiro desde 2007, ao atingir-lo sobre o Caso dos Atos Secretos. Além disso, a fundação foi alvos das denúncias de que:

1. O dinheiro da doação da Petrobras, de R$ 550.000 reais, foi desviado para contas bancárias de familiares;
2. Sarney ser presidente vitalício da fundação apesar de negar no plenário do Senado de que não tem nenhuma ligação a instituição;
3. O prédio instalado tinha ocupação irregular, segundo denúncias do Ministério Publico do Maranhão, nos últimos anos.
4. O local abrigaria o mausoléu de Sarney após a morte, o que gerou polêmica, já que pela lei brasileira, proíbem cemitérios particulares.
5. O prédio quase foi confiscado pelo governo estadual em 2005, quando José Reinaldo Tavares, que rompeu com Sarney em 2004, queria a volta do prédio histórico ao governo estadual, que foi doado em 1990.

Leia abaixo a íntegra da nota:

A respeito de conversa que mantive com a jornalista Mônica Bergamo, tema de nota de sua coluna de hoje [publicada ao jornal Folha de S. Paulo], sobre a extinção da Fundação José Sarney, maior espaço cultural do Maranhão e um dos maiores do Norte e Nordeste, explicito, com profundo sofrimento, que essa é a minha opinião, em face da impossibilidade de seu funcionamento, por falta de meios, segundo fui informado pelos administradores da instituição. Os doadores que a sustentam suspenderam suas contribuições, pela exposição com que a instituição passou a ser tratada por alguns órgãos da mídia.
Diante dessa situação de força maior, repito, com grande amargura, que o seu fechamento é o caminho a seguir, embora tal providência dependa de decisão do Conselho Curador da Fundação, obedecendo os trâmites previstos no Código do Processo Civil.
Lamento pelo Maranhão, que perde um centro de documentação e pesquisa que é uma referência nacional.
Senador José Sarney
Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado

José Sarney


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati