Jornalista saudita foi torturado antes de ser morto, diz jornal turco

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Istambul, Turquia • 17 de outubro de 2018

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Evidências de áudio mostram tortura ao jornalista Jamal Khashoggi dentro de consulado saudita na Turquia

Jamal Khashoggi

Em meio às trocas de acusações envolvendo as autoridades turcas e o governo da Arábia Saudita no caso do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi, o jornal turco “Yeni Safak” divulgou uma reportagem em que diz que o jornalista foi torturado, antes de ser, supostamente, morto nas dependências do consulado saudita em Istambul. De acordo com o jornal, gravações de áudio feitas no dia 02 de outubro revelam que o jornalista teve partes de seu corpo cortadas durante interrogatório no consulado, além de trechos captados de falas do cônsul saudita Mohammad Al Otaibi. Apesar da divulgação do jornal, o governo saudita nega as acusações feitas pela Turquia.

O caso

O jornalista Jamal Khashoggi, conhecido opositor do governo saudita, desapareceu no dia 2 de outubro, após visitar o consulado da Arábia Saudita em Istambul para resolver pendências burocráticas relacionadas a seu casamento com a turca Hatice Cengiz. A polícia turca suspeita que o jornalista tenha sido preso e morto dentro do consulado, pois não há registros da saída de Jamal do prédio. Como o jornalista tinha cidadania americana, o presidente americano Donald Trump determinou que o FBI participem das investigações juntamente com a Turquia.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit