Jogadora de basquete Griner é libertada em troca de prisioneiros EUA-Rússia

Fonte: Wikinotícias
Brittney Griner
Viktor Bout

8 de dezembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Rússia libertou a estrela da WNBA Brittney Griner na quinta-feira em uma troca de prisioneiros de alto nível, e os EUA libertaram o notório traficante de armas russo Viktor Bout, disseram autoridades.

A troca, em um momento de tensões elevadas sobre a Ucrânia, alcançou um objetivo importante para o presidente Joe Biden, mas teve um preço alto.

O acordo, o segundo em oito meses com a Rússia, garantiu a libertação da estadunidense mais proeminente detida no exterior. Griner é duas vezes medalhista de ouro olímpico, cujos meses de encarceramento por porte de drogas chamou atenção sem precedentes da mídia.

A autorização de Biden para libertar um criminoso russo destacou a crescente pressão que seu governo enfrentou para trazer Griner para casa, principalmente após o recente julgamento e sua subsequente transferência para uma colônia penal.

A troca foi confirmada por autoridades estadounidenses com conhecimento direto das negociações, que não estavam autorizadas a discutir publicamente o acordo e falaram sob condição de anonimato. Biden falou com Griner por telefone na quinta-feira, enquanto sua esposa, Cherelle, estava no Salão Oval.

Autoridades russas e norte-americanas expressaram otimismo cauteloso nas últimas semanas, após meses de negociações tensas, com Biden dizendo em novembro que esperava que a Rússia chegasse a um acordo em breve. Um alto funcionário russo disse na semana passada que um acordo era possível antes do final do ano.

Ainda assim, o fato de o acordo ter sido um por um foi uma surpresa, já que as autoridades estadounidenses expressaram por meses sua determinação em trazer para casa tanto Griner quanto Paul Whelan, um executivo de segurança corporativa de Michigan preso na Rússia desde dezembro de 2018 em acusações de espionagem, que sua família e o governo dos EUA argumentam serem infundadas.

Fontes