João Paulo II, o Grande

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de abril de 2005

Se as tendências recentes se confirmarem em breve, o ex-pontífice da Igreja Católica papa João Paulo II será reconhecido "João Paulo, o Grande", por toda posteridade.

Papa João Paulo II durante visita ao Brasil (Foto:José Cruz/Abr).

Uma porção crescente de católicos, e setores do clero até altos representantes, começaram a usar o título, que outrora foi mantido só para dois papas entre os 264 papas da história da Igreja Católica.

O Papa Gregório I do século VI e Papa Leão I do século V, foram os únicos, até agora, aclamados de "Grande", na tradição da Igreja.

Os cardeais Egan de Nova York, e O'Brien de Edimburgo da Escócia, o arcebispo Martin, de Dublin, e o cardeal Cormac Murphy-O'Connor de Westminster, que é a maior autoridade da Igreja Católica na Inglaterra e no País de Gales , estão entre os as pessoas que já usaram o título para João Paulo II.

O historiador Robert Louis Wilken, escreveu no periódico católico Bem Comum em 2003, "a grandeza é tão misteriosa quanto é elusiva," em alusão à ambigüidade dos critérios usados na aplicação do título.

Por exemplo, algumas figuras, como o teólogo Santo Tomás de Aquino ou o apóstolo Pedro, o primeiro papa, apesar da grande influência na história de igreja, não foram agraciados com o título por historiadores ou pela tradição Católica, enquanto outros relativamente desconhecidos, hoje detém o título.

Jornais da Itália, dos Estados Unidos da América, e de várias partes do globo usaram a aclamação "Grande" para o falecido pontífice. Em sítios católicos na internet e fóruns de discussão também abundam o título honorífico. No documento da Santa Sé, do L’Osservatore Romano, também há menção ao título "Grande".

Um texto de homília do Vaticano para domingo, 3 de abril, tinha uma referência para o título. Apesar de o título não ser mencionado durante a entrega da homília pelo cardeal Angelo Sodano, cardeal secretário do Estado até a morte do papa, considera-se que esses documentos são declarações oficiais do Vaticano mesmo quando não lidos em voz alta.

Fontes