Jihadistas mataram 5042 pessoas em 14 países em novembro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

11 de dezembro de 2014

A universidade britânica King’s College London, em parceria com Serviço Mundial da BBC e do Centro Internacional para o Estudo da Radicalização (International Center for the Study of Radicalisation, ICSR), ligada à universidade, revelou hoje que os ataques de jihadistas em várias partes do mundo mataram mais de 5 mil pessoas em mais de 10 países, só no mês passado (novembro) e é o primeiro do gênero, não podendo ser comparado com estudos anteriores.

Segundo ICSR, o país mais afectado pela violência jihadista em novembro foi o Iraque (com um terço do total das mortes), seguido da Nigéria, Afeganistão e Síria, que naquele mês foram 664 ataques em 14 países com 5.042 pessoas mortas. Dezesseis grupos jihadistas reivindicaram os atos ou foram identificados como seus autores, dos quais 60% não tinham nada a ver com a Al-Qaeda, o inimigo número um até então.

Quase metade dos ataques (44%) foram obra do grupo Estado Islâmico (EI), que opera principalmente no Iraque e na Síria, matou 2.206 pessoas em 308 ataques. O grupo Boko Haram da Nigéria é o segundo grupo terrorista islâmico mais mortífero, com 801 mortos em 30 ataques.

Estas cifras são impressionantes levando em conta que há três anos o mundo ocidental dizia que a Al-Qaeda está em decadência, morta, estrategicamente derrota, de acordo com Peter Neumann, do King s College.

Todo mundo achava que na Primavera Árabe traria a liberdade e a democracia. Agora temos um movimento jihadista em partes do mundo onde jamais imaginamos que apareceria.

Peter Neumann

Os autores do relatório de ataques do terrorismo islâmico reconheceram as dificuldades de seu estudo, principalmente em um contexto de guerra civil (como Síria, Iraque e Afeganistão) onde é difícil atribuir determinados atos a um grupo em particular e onde reunir informações é difícil.

Al-Caeda e Estado Islâmico

Na investigação feita por BBC, ICSR e a universidade King’s College London, concluiu-se que os ‘jihadistas’ do grupo extremista Estado Islâmico (EI), presentes no Iraque e na Síria, foram responsáveis por quase metade da violência, seguido pelo Boko Haram, presente no nordeste e norte da Nigéria, aliado à Al-Caeda.

Para ICSR, a rede terrorista Al-Caeda, liderado por Ayman al-Zawahiri, declinou muito com novo concorrente Estado Islâmico, liderado por Abu Bakr al-Baghdadi, surgida em 29 de junho de 2014 logo após ampla ofensiva terrestre (entre dezembro de 2013 a julho de 2014) que passou a controlar oeste e noroeste do Iraque, na qual Al-Caeda anunciou ter rompido com grupo em fevereiro do mesmo ano, após terem divergências políticas e teológicas em 2013.

No relatório, o extremismo islâmico está “mais forte do que nunca” e revela que a organização terrorista Al-Caeda, que no início desse ano, era considerado o maior grupo terrorista do mundo, perdeu essa posição com surgimento do Estado Islâmico na metade do ano.

Os dados tornam claro que os ‘jihadistas’ e a Al-Qaida já não são o mesmo.
(...)
Parece claro que o movimento ‘jihadista’ [está] mais forte que nunca e que combatê-lo será um desafio geracional.

afirmam os autores do estudo.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati