Jefferson: Mensalão seria usado para PT ficar no poder

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de agosto de 2005

Brasil

O deputado brasileiro Roberto Jefferson falou na segunda-feira (8) durante um seminário organizado pela Associação Comercial de São Paulo, na capital paulista.

Na opinião de Roberto Jefferson o mensalão foi usado como parte de um plano do Partido dos Trabalhadores (PT) para conquistar o poder e governar durante 10 ou 15 anos. Segundo o deputado: Essa é uma tese clara. Eles [PT] não queriam repartir o poder e, por isso, deram aluguel a um exército de mercenários.

Jefferson foi bastante aplaudido após seu discurso, durante o qual repetiu denúncias de corrupção e falou sobre o mensalão. O recinto estava lotado, com mais de 250 pessoas.

Sutilmente, o deputado criticou o Presidente, ao mesmo tempo em que disse acreditar na inocência dele. Jefferson disse: Ele [Lula] delegou o governo ao [ex-ministro da Casa Civil] José Dirceu. Tudo o que ele gosta de fazer é passear de avião (...) [Lula] não gosta do serviço, mas eu não posso acusá-lo de desonesto.

O deputado denunciou a participação de alguns ministros do governo no alegado mensalão: Tem ministros que mandaram sacar, mas [a história] está numa bruma. E tem secretário-executivo e chefe de gabinete que meteram a mão no jabá [dinheiro].

Roberto Jefferson é deputado federal e ex-Presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), da base aliada do governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT. Jefferson tornou pública a existência de uma gigantesca malha de corrupção, disseminada por várias empresas públicas, privadas e instituições financeiras, além de um suposto sistema para compra de votos de deputados, que chamou de "mensalão".

Apesar de muita gente ter negado veementemente as denúncias de Jefferson, nenhuma delas conseguiu ser desmentida, e se tornam cada vez mais verossímeis à medida que a polícia, as comissões do congresso e a imprensa avançam nas investigações.

Segundo parlamentares das comissões de investigação, já há provas contundentes para punir alguns deputados. Pilhas de documentos bancários comprovam a existência de saques milionários das contas de Marcos Valério e há elementos que podem servir para que o empresário possa ser indiciado.

O Partido dos Trabalhadores (PT) já admitiu ter cometido crime eleitoral, ao aceitar, segundo seu tesoureiro Delúbio Soares, recursos financeiros de Valério, não declarados à Justiça Eleitoral. O PT diz que apenas o tesoureiro e no máximo umas poucas pessoas ligadas a ele são responsáveis pelas supostas irregularidades. O partido não defende abertamente a existência do mensalão e diz acreditar na suposta existência de apenas crime eleitoral. Contudo essa hipótese começa a perder força à medida que a quantidade e a rota do dinheiro é revelada e com as contradições e mudanças dos testemunhos dos envolvidos no escândalo.

Fontes