Jatos da Rússia realizarm ataques na Síria

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Agência VOA

30 de setembro de 2015

Jatos da Rússia estacionados reportedly na Síria cidade de Latakia realizaram ataques aéreos em apoio do presidente sírio, Bashar al-Assad, depois de ter notificado os Estados Unidos de uma hora antes.

O presidente russo, Vladimir Putin anunciou os ataques contra islâmicos militantes que "se eles tiverem sucesso na Síria [...] virão para a Rússia, também", e esclareceu que não seria o envio de tropas terrestres para participar na guerra civil síria. Ele pediu que Assad para o diálogo com "saudáveis" os grupos de oposição.

A ITAR-Tass agência de notícias informou mais cedo ontem Putin tinha sido dado o sinal verde para os ataques aéreos por parte da câmara alta do Legislativo da Rússia. A Agência de Notícias Árabe Síria (SANA) disse que a Rússia respondeu após Assad enviar uma carta procurando a assistência de Putin. SANA também informou os ataques foram realizados em conjunto com a Força Aérea síria e tinha focado em instalações do Estado Islâmico em uma série de locais.

O Departamento de Estado dos EUA disse que aviões norte-americanos continuariam a operar em toda a região. Um acordo para manter conversações militares foi anunciada pelo ministro do Exterior russo, Sergey Lavrov e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry. Lavrov disse que era necessário "estabelecer canais de comunicação para evitar quaisquer incidentes não intencionais". No entanto, as autoridades americanas questionaram a propósito dos ataques russos, indicando as áreas-alvo não eram susceptíveis de estar sob controle ISIS.

Grupos de oposição sírios alegam que houve vítimas civis como uma conseqüência direta das greves. A Coalizão Nacional da Síria disse várias crianças estavam entre 36 pessoas que morreram após aviões atingiu várias cidades, enquanto o Observatório Sírio dos Direitos Humanos afirmou que houve 28 mortes.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati