Israel e Hamas rejeitam cessar-fogo pela ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

10 de janeiro de 2009

Nova Iorque, Estados Unidos

A continuação conflito em Gaza. O Conselho de Segurança da ONU apelou o fim das hostilidades na Faixa de Gaza e de uma retirada imediata de todas as forças israelenses em Gaza, que foi rejeitada por Israel e o Hamas. Israel rejeitou por que não satisfaz as suas necessidades de segurança e de livre movimento.

O gabinete de segurança israelense, que inclui 12 ministros presidido pelo primeiro-ministro demissionário, Ehud Olmert, decidiu formalmente na sexta-feira continuar a ofensiva na Faixa de Gaza, apesar do apelo para um cessar-fogo da ONU. Olmert tinha anunciado anteriormente que iria continuar as operações em Gaza.

O Conselho de Segurança votaram a favor de um cessar-fogo "imediato e duradouro assentamento na Faixa de Gaza, que iria conduzir a uma" retirada total "das forças israelenses, embora os Estados Unidos abstiveram de votar.

A Resolução 1860 foi aprovada com 14 votos dos 15, com a abstenção dos Estados Unidos. Ela “assinalou a urgência e apela a um cessar-fogo imediato, duráveis e totalmente respeitada, o que levou a uma retirada total das forças israelenses da Faixa de Gaza”.

A resolução condena "todo ato de violência e hostilidade dirigida contra civis e os atos de terrorismo", sem nomear explicitamente os tiros de foguetes do grupo islâmico palestino Hamas contra Israel.

A força aérea israelense bombardeou uns 50 alvos nos territórios palestinos, informaram fontes militares do país. Umas das explosões matou pelo menos cinco membros da mesma família, disse autoridades médicas palestinas. Com isso soma-se mais de 760 mortes nos 14 dias do conflito.

Os bombardeios da aviação e artilharia israelenses mataram 16 pessoas nas últimas horas, enquanto os militantes palestinos de Gaza dispararam quinze foguetes em território israelense, ferindo uma pessoa. Pelo menos 30 pessoas que estavam em uma casa com 110 refugiados em Gaza, foram mortos em um destes ataques, como foi confirmado pelas Nações Unidas.

De acordo com testemunhas, os navios israelenses bombardearam em vários pontos da zona costeira da Faixa de Gaza.

Um responsável do Hamas, que controla a Faixa de Gaza, tinha dito anteriormente que o movimento islâmico também rejeitou a resolução da ONU.

Nós "rejeitamos, porque os benefícios nem os nossos interesses do povo palestino", disse o líder, Rafat Morra à AFP.

Os bombardeios israelenses continuaram mesmo durante as três horas diárias trégua a ser oficialmente lançada às 11h00 GMT (13h em Israel e Faixa de Gaza), de acordo com testemunhas.

Esta pausa, que se aplica na quarta-feira, permite a cooperação com o povo de Gaza, desde 27 de dezembro. Desde então, pelo menos, já custou 763 vidas e mais de 3.120 palestinos foram feridos desde que Israel lançou a Operação Chumbo Sólido, após o final da trégua em vigor até o dia 19. Quinze israelenses foram mortos nos combates e dezenas de feridos.

Fontes