Identificados os mortos durante o tiroteio no Parlamento e no Memorial Nacional da Guerra na capital do Canadá

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Stephen Harper.
(foto de Remy Steinegger)

Agência Brasil

23 de outubro de 2014

Foram divulgados na tarde de ontem no Canadá, as identidades de dois homens mortos durante o tiroteio na Memorial Nacional de Guerra e o Parlamento Nacional e os detalhes sobre os ataques em Ottawa, capital do país. O soldado Nathan Cirillo, de 24 anos, que fazia a guarda do Memorial Nacional de Guerra, foi morto a tiros pelo atirador. O atirador XXX, de XX anos, que matou soldado, se refugiou no Parlamento, onde trocou tiros com os policiais que foram alertados nos primeiros tiros do memorial, onde acabou morto.

O tiroteio no Parlamento do Canadá e arredores, que aconteceu na manhã de ontem (22) deixou as forças de segurança de todo o país em alerta, principalmente em prédios públicos, postos de fronteira, bases militares e aeroportos, incidente que assustou o país. A imprensa canadense relata a existência de dois ou três atiradores, tendo sido disparados cerca de 50 tiros.

Após os Ataques[editar]

Quase 12 horas depois do tiroteio no Parlamento do Canadá, a Polícia de Ottawa liberou o perímetro de segurança que havia isolado do público para procurar outros possíveis atiradores. “Não existe mais uma ameaça para a segurança pública na região”, informou em nota em seu site oficial e pelo microblog Twitter. A área do Parlamento, no entanto, continuará isolada do público para as investigações.

A Polícia de Ottawa disse ainda que a Real Polícia Montada do Canadá, a maior força de segurança do país, assumiu o comando das investigações e que ambas agradecem à população pela colaboração. A polícia local reforçou o pedido para que testemunhas do tiroteio ajudem nas investigações com depoimentos e enviando fotos ou vídeos sobre o incidente de hoje. “Os moradores vão continuar a vendo um aumento da presença policial em áreas-chave nos próximos dias”.

Em Quebec, militares foram orientados a deixar de usar seus uniformes fora de suas bases, a não ser quando estiverem realizando operações, além de não fazerem paradas entre suas casas e a base, por exemplo, em postos de gasolina, creches e supermercados.

Stephen Harper[editar]

Durante o tiroteio, o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, estava no Parlamento e foi retirado do edifício. O perímetro de segurança junto ao Parlamento levou também ao fechamento da Universidade de Ottawa. A polícia também pediu para a população se manter em casa ou, pelo menos, longe do local. A residência oficial do primeiro-ministro, que fica em frente ao Parlamento, também foi evacuada.

Em cadeia nacional de rádio e TV, o chefe de governo, Harper deu declaração à nação na noite de ontem que o atirador que "aterrorizou" o Parlamento federal "foi um terrorista" que assassinou, "a sangue frio", um soldado das Forças Armadas do país. "O tiroteio, que ocorreu durante a manhã de ontem no bloco central do Parlamento, foi um ataque a todos os canadenses", acrescentou o chefe de governo. Ele destacou que os canadenses "não vão ficar intimidados".

Ele disse também que o "trágico incidente vai fortalecer a determinação do Canadá em localizar supostos terroristas no país e ajudar os aliados internacionais a derrotar os terroristas no Iraque". Em outubro, o Canadá anunciou o envio para o Iraque de seis aviões caças-bombardeiros CF-18 Hornet, um avião-tanque para reabastecimento em voo e dois aviões Aurora de vigilância.

O primeiro-ministro do país participaria na tarde de hoje, em Toronto, de uma cerimônia na qual seria concedida a cidadania canadense a Malala Yousafzai, a ativista paquistanesa de 17 anos ganhadora do prêmio Nobel da Paz de 2014. A adolescente se tornou mundialmente conhecida pela defesa dos direitos humanos das mulheres e seu acesso à educação, proibido pelos talibãs na região onde vivia e sofreu uma tentativa de assassinato.

Suspeita[editar]

O atentado aconteceu dois dias após um homem suspeito de ter ligações com grupo extremista Estado Islâmico atropelou propositadamente dois soldados canadenses em Quebec, matando um deles, durante a perseguição policial, foi morto a tiros.

O motorista fazia parte de uma lista com 90 nomes investigados pelas forças de segurança canadenses, o que levantou o alerta sobre ataques terroristas no Canadá, conhecido internacionalmente por sua tranquilidade e qualidade de vida de sua população.

Notícia Relacionada[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati