IBGE eleva estimativa da safra brasileira de grãos de 2012 para 160,7 milhões de toneladas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

5 de julho de 2012

Rio de Janeiro — O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) elevou, em junho deste ano, a previsão da safra de grãos do país para 160,7 milhões de toneladas. A nova estimativa do IBGE é 0,3% maior do que a divulgada no mês anterior, cuja previsão era 160,3 milhões de toneladas.

A produção de milho aumentará em volume e em área plantada.
(Foto: José Reynaldo da Fonseca)

Caso a previsão se confirme, o país terá, no final deste ano, uma safra de cereais, leguminosas e oleaginosas 0,4% maior do que a registrada no ano passado, que totalizou 160,1 milhões de toneladas. Segundo o IBGE, a área prevista para ser colhida em 2012, 49,4 milhões de hectares, é 1,6% maior do que a registrada em 2011.

Entre as três principais culturas do país (que representam 91% da produção de grãos), o único crescimento na produção neste ano deverá vir do milho (22,7%), que também deverá ter aumento de 10,5% na área plantada.

O arroz terá a maior queda na produção em relação a 2011 (14,8%) e também uma redução da área plantada (13,2%). Já a soja terá uma queda de 12,3% na produção, apesar de um aumento de 3,5% na área plantada.

Entre os 26 produtos selecionados pela pesquisa do IBGE, metade deverá apresentar aumento na produção em relação a 2011, como algodão herbáceo em caroço (4%), amendoim em casca primeira safra (25,3%), aveia em grão (12,3%), café em grão arábica (16,5%), café em grão canephora (9,7%), cevada em grão (14,3%) e feijão em grão segunda safra (8,0%).

Já entre os produtos que deverão ter queda na produção neste ano destacam-se amendoim em casca segunda safra (-29,8%), arroz em casca (-14,8%), batata-inglesa primeira safra (-7,8%), batata-inglesa segunda safra (-20,1%), cana-de-açúcar (-7,4%), feijão em grão primeira safra (-36,3%), mamona em baga (-60,8%) e trigo em grão (-8%).

Fontes


Ver também

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati