Hugo Chávez é acusado de anti-semitismo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

5 de janeiro de 2006

Parte de um discurso feito no último dia 24 de dezembro pelo Presidente da Venezuela Hugo Chávez desagradou alguns judeus, que acusaram o chefe do Executivo de anti-semitismo. Críticos acusaram-no de promover teorias conspiratórias sobre os judeus na morte de Jesus Cristo.

Na ocasião do discurso, Chávez visitava o Centro de Desenvolvimento Interior Integral Humano Manantial de los Sueños, localizado em Acevedo, no estado de Miranda, onde são acolhidos centenas de jovens e adultos necessitados. Chávez disse o centro era "um exemplo do que Cristo veio pregar" e se referiu a Jesus Cristo como "comandante dos comandantes e dos povos, justiceiro, nômade da cruz".

Chávez ainda declarou: "não podemos permitir que este mundo se acabe (...) estamos decididos a mudar a história e cada dia nos acompanharão mais e mais presidentes e povos". Disse ainda que amava "todos os venezuelanos", inclusive "aqueles que eventualmente o odiavam".

No entanto, o discurso de Chávez irritou algumas pessoas no seguinte trecho:

"O mundo existe para todos, mas acontece que umas minorias, os descendentes dos mesmos que crucificaram Cristo, os descendentes dos mesmos que jogaram a Bolívar daqui e também o crucificaram à sua maneira em Santa Marta, lá na Colômbia. Uma minoria se apropriou das riquezas do mundo, uma minoria se apropriou do ouro do planeta, da prata, dos minerais, das águas, das terras boas, do petróleo, das riquezas, pois, e concentraram as riquezas em poucas mãos: menos do dez por cento da população do mundo é dona da metade mais rica do mundo..."

Fontes