Hackers chineses atacaram sistemas de computadores do Vaticano

29 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um grupo cibercriminoso chinês invadiu as redes de computadores do Vaticano. A Recorded Future disse que uma série de supostos ataques cibernéticos começou em maio deste ano e também teve como alvo a missão de treinamento da Santa Sé e o Instituto Pontifício para Missões no Exterior (PIME).

O ataque vem à frente das esperadas negociações de setembro de 2020 para supervisionar as nomeações de bispos e o status das igrejas como parte da renovação de um acordo provisório de 2018 que redefiniu as condições da Igreja Católica na China.

Durante a campanha maliciosa, os atacantes usaram emails disfarçados de documentos legítimos do Vaticano para o monsenhor Javier Corona Herrera, um padre que chefia uma missão de pesquisa em Hong Kong. O arquivo parecia uma resposta oficial do escritório do arcebispo Edgar Peña Parr, mas na verdade continha uma nova versão do malware PlugX.

Especialistas acreditam que, como resultado desse acordo, o Partido Comunista Chinês ganhou mais "controle sobre a comunidade católica clandestina do país, que está sendo perseguida".

O grupo pode obter acesso a uma fonte valiosa de informação e monitorar o relacionamento entre a diocese e o Vaticano e sua posição no movimento pró-democracia em Hong Kong.

Fontes