Gugu vai sair do SBT e ir para a Rede Record

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de julho de 2009

Em breve, o Augusto Liberato, mais conhecido como Gugu, deixará o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). É o que diz a imprensa e até o próprio dono do SBT, Silvio Santos. A mudança de emissora será a Rede Record. Celso Portiolli vai ficar no lugar de Gugu.

O estopim para saída do Gugu no SBT, segundo a imprensa, seria mais uma nova mudança de horário do SBT, determinado pelo Santos, ao inverter os horários: Domingo Legal, apesentado pelo Gugu, passou ser exibido entre meio-dia até 16hs e o Programa Sílvio Santos, exibido das 16 até 22hs30min, ocorrido no mês passado. Vale ressaltar que em 1997, o horário do Domingo Legal era exibido desde a estréia desde os anos 80, quando foi para 16-20 horas, que posteriormente registrou as primeiras vitórias sobre Domingo do Faustão (Rede Globo. Na mesma semana passada o SBT anunciou os contratos da Eliana e Robertos Justus, a Record anunciou que Gugu é uns dos contratados da rede, ocorrido em 25 de junho.

"Quebra de Contrato"

O apresentador Gugu ameaçou deixar o SBT alegando quebra de contrato por parte de Silvio Santos. A troca de horário do pograma "Domingo Legal" foi a primeira mudança evidente feita por Silvio Santos. Gugu alega que a expulsão do diretor do 'Domingo Legal' e a alteração da receita publicitária de seu programa estão ferindo o contrato que tem com a emissora.

De acordo com a imprensa, advogados de Gugu já estudam acusar o SBT de rompimento unilateral de contrato. Os advogados interpretam que uma das cláusulas do documento atual (em vigor até 31 de março de 2010), prevê que a relação entre Gugu e SBT é de sociedade mútua e que todas as mudanças precisam ser discutidas e aprovadas por ambos os sócios. O que, de acordo com os representantes de Gugu à Justiça, não teria acontecido.

O SBT nega qualquer "unilateralidade" e diz que o apresentador foi informado da mudança de horário "por telegrama". A emissora declara ainda que, "segundo o contrato atual, todas as decisões sobre roteiro comercial e conteúdo do 'Domingo Legal' são de decisão exclusiva da emissora".

Os representantes de Gugu rebateram que mudança de horário do "Domingo Legal" jogou a receita publicitária (comerciais e merchandisings) para baixo, fazendo Gugu perder receita, e que isso ocorreu graças a uma decisão "unilateral".

Gugu assinou um contrato de oito anos com a Record, oito meses antes de expirar o seu com o SBT. De acordo com a proposta da emissora, o apresentador terá um salário de R$ 3 milhões e irá comandar um programa aos domingos, ainda pode ganhar um programa diário. Se o apresentador mantesse no SBT, completa 20 anos em outubro de 2010.

Não é a primeira vez que a imprensa divuga rumores da saída de Gugu à Record. A jornalista GabrielaM pesquisou pela internet e achou dezenas de reportagens antigas que esses rumores datam/inciciam em 1999. Na época, o SBT, Gugu e Record negaram os rumores, que classificaram como infudados e boatos. Entre 2005 e 2006, aconteceu o caso similar. Porém, após assinar, Gugu não rescindiu o contrato com SBT, o que levou a antecipação de Santos e a desistência em perdir R$ 15 milhões de reais por rescisão de contrato.

Histórico

Gugu estar no SBT desde 1989, quando foi contratado pelo Silvio Santos, após a polêmica assinatura e rescisão de contrato com a Rede Globo, que nem chegou apresentar na emissora. O horário escolhido do programa Domingo Legal foi ao meio-dia até 16 da tarde de todos os domingos. Mudou de horário em 1997, quando perdia no horário para a Rede Manchete, mas em poucos meses passou a ganhar Domingão do Faustão, da Rede Globo, passando ser líder de audiência, que a partir de então passou ser monopolizado pelas redes Globo e SBT, com quase 50% da audiência, que é preenchido por outras redes.

Porém perde audiência a partir de 2003, depois da exibição do vídeo em que reportér da emissora entrevista dois integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), em que ameaçaram autoridades políticas e apresentadores de TVs no Estado de São Paulo, em 7 de setembro de 2003. A exibição gerou questionamento de ser uma farsa, confirmada mais tarde, com a identificação dos responsáves: a produção do programa, o reportér, dois homens que foram contratados por um integrante representava o programa. O caso provocou imagem negativa do apresentador e o programa perdeu por outras redes rivais, chegando a mudar e até esticar o horário, o que levou a atual situação.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati