Gugu vai sair do SBT e ir para a Rede Record

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de julho de 2009

Em breve, o Augusto Liberato, mais conhecido como Gugu, deixará o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). É o que diz a imprensa e até o próprio dono do SBT, Silvio Santos. A mudança de emissora será a Rede Record. Celso Portiolli vai ficar no lugar de Gugu.

O estopim para saída do Gugu no SBT, segundo a imprensa, seria mais uma nova mudança de horário do SBT, determinado pelo Santos, ao inverter os horários: Domingo Legal, apesentado pelo Gugu, passou ser exibido entre meio-dia até 16hs e o Programa Sílvio Santos, exibido das 16 até 22hs30min, ocorrido no mês passado. Vale ressaltar que em 1997, o horário do Domingo Legal era exibido desde a estréia desde os anos 80, quando foi para 16-20 horas, que posteriormente registrou as primeiras vitórias sobre Domingo do Faustão (Rede Globo. Na mesma semana passada o SBT anunciou os contratos da Eliana e Robertos Justus, a Record anunciou que Gugu é uns dos contratados da rede, ocorrido em 25 de junho.

"Quebra de Contrato"

O apresentador Gugu ameaçou deixar o SBT alegando quebra de contrato por parte de Silvio Santos. A troca de horário do pograma "Domingo Legal" foi a primeira mudança evidente feita por Silvio Santos. Gugu alega que a expulsão do diretor do 'Domingo Legal' e a alteração da receita publicitária de seu programa estão ferindo o contrato que tem com a emissora.

De acordo com a imprensa, advogados de Gugu já estudam acusar o SBT de rompimento unilateral de contrato. Os advogados interpretam que uma das cláusulas do documento atual (em vigor até 31 de março de 2010), prevê que a relação entre Gugu e SBT é de sociedade mútua e que todas as mudanças precisam ser discutidas e aprovadas por ambos os sócios. O que, de acordo com os representantes de Gugu à Justiça, não teria acontecido.

O SBT nega qualquer "unilateralidade" e diz que o apresentador foi informado da mudança de horário "por telegrama". A emissora declara ainda que, "segundo o contrato atual, todas as decisões sobre roteiro comercial e conteúdo do 'Domingo Legal' são de decisão exclusiva da emissora".

Os representantes de Gugu rebateram que mudança de horário do "Domingo Legal" jogou a receita publicitária (comerciais e merchandisings) para baixo, fazendo Gugu perder receita, e que isso ocorreu graças a uma decisão "unilateral".

Gugu assinou um contrato de oito anos com a Record, oito meses antes de expirar o seu com o SBT. De acordo com a proposta da emissora, o apresentador terá um salário de R$ 3 milhões e irá comandar um programa aos domingos, ainda pode ganhar um programa diário. Se o apresentador mantesse no SBT, completa 20 anos em outubro de 2010.

Não é a primeira vez que a imprensa divuga rumores da saída de Gugu à Record. A jornalista GabrielaM pesquisou pela internet e achou dezenas de reportagens antigas que esses rumores datam/inciciam em 1999. Na época, o SBT, Gugu e Record negaram os rumores, que classificaram como infudados e boatos. Entre 2005 e 2006, aconteceu o caso similar. Porém, após assinar, Gugu não rescindiu o contrato com SBT, o que levou a antecipação de Santos e a desistência em perdir R$ 15 milhões de reais por rescisão de contrato.

Histórico

Gugu estar no SBT desde 1989, quando foi contratado pelo Silvio Santos, após a polêmica assinatura e rescisão de contrato com a Rede Globo, que nem chegou apresentar na emissora. O horário escolhido do programa Domingo Legal foi ao meio-dia até 16 da tarde de todos os domingos. Mudou de horário em 1997, quando perdia no horário para a Rede Manchete, mas em poucos meses passou a ganhar Domingão do Faustão, da Rede Globo, passando ser líder de audiência, que a partir de então passou ser monopolizado pelas redes Globo e SBT, com quase 50% da audiência, que é preenchido por outras redes.

Porém perde audiência a partir de 2003, depois da exibição do vídeo em que reportér da emissora entrevista dois integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), em que ameaçaram autoridades políticas e apresentadores de TVs no Estado de São Paulo, em 7 de setembro de 2003. A exibição gerou questionamento de ser uma farsa, confirmada mais tarde, com a identificação dos responsáves: a produção do programa, o reportér, dois homens que foram contratados por um integrante representava o programa. O caso provocou imagem negativa do apresentador e o programa perdeu por outras redes rivais, chegando a mudar e até esticar o horário, o que levou a atual situação.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati