Grupo separatista ETA anuncia cessar-fogo permanente

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O país basco.

Agência Brasil

10 de janeiro de 2011

O grupo separatista basco ETA anunciou na manhã de hoje (10) um “cessar-fogo permanente, geral e verificável”. O anúncio foi feito por meio de um vídeo enviado ao jornal basco Gara, vinculado ao grupo armado. No vídeo, três homens encapuzados, que dizem representar o grupo “socialista e revolucionário basco”, aparecem sentados em frente a uma bandeira do ETA.

Ao final da mensagem, os três encapuzados erguem os braços, repetindo o slogan do ETA: "Vamos, Pátria Basca e Liberdade”. O governo da Espanha ainda não respondeu oficialmente ao anúncio. Em setembro passado, o governo rejeitou uma proposta de cessar-fogo apresentada pelo grupo.

As negociações entre o governo e o ETA em 2006 foram interrompidas após um ataque a bomba no Aeroporto de Madri. Desde 1968, o ETA vinha promovendo ações violentas na sua campanha pela independência do país basco. Mais de 800 pessoas foram mortas em atentados promovidos pela organização.

O comunicado pede aos governos de Espanha e França que “respeitem a vontade do povo basco” e incita as autoridades espanholas a promover diálogos e um referendo sobre soberania da região basca. No vídeo, um dos integrantes lê a nota, em espanhol, defendendo o "compromisso do ETA com um processo de solução definitivo e o fim do confronto armado."

A nota diz ainda que a organização ouviu vários pedidos de “agentes da sociedade basca e da comunidade internacional para chegar a um diálogo” e decidiu atender a eles “porque é tempo de agir”.

Os supostos membros do ETA defendem que o resultado do referendo sobre a soberania seja “respeitado com reconhecimento político”. O cessar-fogo será “verificável pela comunidade internacional”, segundo o comunicado, mas as bases dessa verificação não foram detalhadas.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com