Gripe H1N1 mata a quarta vítima em Santa Catarina

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Notícias relacionadas
Pessoas na Cidade do México vestindo máscaras em um trêm pelo vírus H1N1
Mais informações sobre a Gripe:


Agência Brasil

30 de março de 2016

A quarta morte por gripe H1N1 em Santa Catarina foi confirmada hoje (30) pela Secretaria Municipal de Saúde de Brusque, município do Vale do Itajaí, no nordeste do estado. A vítima é um homem de 46 anos, que estava internado há duas semanas com suspeita de tuberculose.

Segundo a secretaria, no sábado (26), o médico responsável pelo caso suspeitou de que se tratava de H1N1. Ele pediu exames e passou a medicar o paciente com o antiviral Tamiflu. Na segunda-feira (28), os resultados laboratoriais comprovaram a gripe H1N1.

Em Brusque, duas mulheres foram internadas porque suspeita-se que estejam com a doença. Uma delas, proveniente de Blumenau, também no Vale do Itajaí (município onde foram registradas duas mortes por H1N1 no último sábado). Na segunda-feira, a doença matou um homem de 49 anos em Guaramirim, no norte de Santa Catarina. O secretário de Saúde, João Paulo Kleinubing, viajou a Brasília para tentar antecipar a campanha de vacinação de 2016, prevista para começar no dia 30 de abril.

Vacinas

Segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), no dia 15 de abril cerca de 40% das vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde para a campanha já terão chegado e poderão ser disponibilizadas à população.

As quatro mortes confirmadas por H1N1 em Santa Catarina envolvem pessoas com idades entre 40 e 50 anos. Segundo a gerente de imunização da Dive, Vanessa Vieira da Silva, as quatro vítimas demoraram até dez dias - desde o aparecimento dos sintomas - para procurar atendimento médico. Para ela, é essencial que os pacientes não presumam estar apenas com a gripe comum.

“Gripe não é mais uma doença que se trata em casa. Nos primeiros sinais de febre, dor de garganta e tosse, a pessoa já deve procurar atendimento de saúde. Não existe uma diferença significativa entre os sintomas da gripe H1N1 e os da gripe comum”, explicou Vanessa.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati