Grécia entrega proposta de reformas econômicas dentro do prazo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de julho de 2015

Grécia — O governo da Grécia entregou ao Eurogrupo (países que adotam o euro como moeda), no fim da tarde de hoje (9), as propostas de reformas para obter um terceiro programa de resgate financeiro e permanecer na zona do euro.

Em uma rede social, um porta-voz do ministro das Finanças da Holanda e presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, anunciou a entrega do documento dentro do prazo definido pelos líderes da zona do euro, que acabaria às 23h de hoje, horário de Lisboa (19h no horário de Brasília).

“As novas propostas gregas foram recebidas pelo presidente de Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem. É importante que as instituições [credores] as tenham em conta na sua avaliação", informou o porta-voz Michel Reijns, em sua conta na rede social Twitter.

Mais cedo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) tinha indicado que não poderia adiar o prazo de pagamento dado à Grécia. Segundo o economista-chefe da instituição, Olivier Blanchard, o adiamento infringiria as regras aplicáveis aos países que descumpriram o pagamento de dívidas com o fundo.

“Quando um país atrasa os pagamentos, não podemos conceder empréstimos de qualquer forma, ou por nenhum meio; e uma restituição é uma forma de empréstimo”, disse Blanchard, ao apresentar as novas previsões econômicas do FMI. A Grécia ficou privada dos empréstimos do FMI desde o último dia 30, quando entrou em inadimplência com a instituição ao não saldar uma dívida de 1,5 bilhão de euros.

O governo grego tinha pedido adiamento do prazo para pagar a dívida, alegando que a opção existe em “casos excepcionais”. A decisão final cabe agora ao Conselho de Administração do FMI, composto por 188 Estados-Membros, que deverá em breve tomar uma decisão.

Alguns especialistas acreditam que o FMI poderia dar o exemplo, com uma extensão dos prazos de vencimento dos empréstimos. “A maioria dos 188 Estados-membros do FMI é mais pobre do que a Grécia e não teve o tipo de regalias que alguns nos pedem para conceder a Atenas”, afirmou Blanchard.

O economista-chefe do FMI acrescentou que um adiamento dos pagamentos, que ocorreu apenas duas vezes na história da instituição, não ajuda países que enfrentam necessidades de financiamento imediato, como é o caso da Grécia.

A Grécia, que apresentou uma proposta aos credores, em troca de um novo pacote de ajuda, deveria reembolsar o FMI em 455 milhões de euros até segunda-feira (13). O país terá ainda de devolver 284 milhões de euros à instituição antes de 1º de agosto.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati