Governo da Venezuela fechou três radios para "democratizar o espaço eletromagnético"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de agosto de 2009

O governo venezuelano havia fechado, pelo menos, 3 estações de rádio (rádio emissoras em Portugal) com pretexto de "democratizar o espaço eletromagnético", segundo o que informa hoje por várias agências noticiosas. A medida foi tomada pelas autoridades de comunicações junto com anuncio de medidas similares contra 34 estações de televisão e estações de rádio em Caracas.

A medida busca reduzir a quantidade de canais emissoras privados no país, mas opositores do governo de Hugo Chávez tem catalogado a medida como uma censura à liberdade de expressão, já que silencia as estações de rádio que haviam apresentado argumentos contra a sua gestão.

Uma das principais estações que poderá ser afetada pela medida é a Globovisión, que segundo fontes de governo, está mostrando facetas do governo de Chávez não deveriam ser exibidas ao povo venezuelano, já que viola seu poder estatal e mostra uma incômoda realidade aos venezuelanos. Esta estação de televisão foi que denunciou o encerramento de três estações das três estações de rádio: em Caracas e os estados de Táchira e Zulia.

Segundo a Comissão Nacional de Telecomunicações, que é a entidade encarregada pela regulação das comunicações na Venezuela, se procediu a caducación das concessões eletromagnéticos, já que estações possuam vencidos os contratos e por faltas dos proprietários por não apresentarem à comissão quando era solicitado.

Se persistir esta medida, a quantidade de emissoras fechadas srão cerca de 30 em Caracas e 240 a nível nacional. Além disso, esta semana, foi apresentado diante a Procuradoria Nacional um projecto de lei para sancionar os "delitos midiáticos", que segundo os opositores do governo, buscaria evitar difundir notícias sobre a opressão exercida por Chávez. Esta medida afetaria unicamente aos jornalistas e suponha-se afetação à Liberdade de Imprensa.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati