Google aceita autocensura para competir no mercado chinês

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de janeiro de 2006

O gigante de internet Google cedeu às pressões do governo chinês e anunciou que censurará alguns de seus serviços e palavras consideradas "polêmicas" pelo Governo de Pequim. A companhia que lançou o seu motor de busca em chinês justificou-se dizendo que "foi uma decisão muito difícil".

A versão chinesa do buscador, cujo endereço será google.cn, realizará consultas em páginas web, imagens, notícias e videos, mas, omitirá termos como "Falun Gong" (nome de uma seita considerada "perigosa" pelo Governo), independência de Taiwan e Tibete. O Google não oferecerá seu serviço de e-mail Gmail, nem o servidor de weblogs Blogger. Em um comunicado, o Google disse que eles só serão oferecidos "quando estivermos seguros de que podemos fazê-lo de um modo que haja um equilíbrio adequado entre nossos compromissos para satisfazer os interesses dos usuários, estender o acesso à informação e responder às condições locais".

Fontes